Buscar
  • Rosângela Aguiar

Não sabe brincar não desce para o play


Política

Jair Bolsonaro cria polêmica no twitter na última terça-feira (5)

Tweet do Presidente Jair Bolsonaro cria polêmica nas redes sociais na noite de terça-feira (5)

Em 2018 mais de 10 milhões de turistas brasileiros e estrangeiros movimentaram a economia do país e a arrecadação ficou na casa dos R$ 11 bilhões durante o Carnaval. Este ano não vai ser diferente. Jovens, adultos, idosos, crianças, todos nas ruas atrás do trio elétrico ou de um bloco ou até sentada na porta de casa vendo a banda passar. É assim a festa mais democrática e popular do país, que o presidente Jair Bolsonaro fez questão de criticar nesta terça (5) de carnaval usando as redes sociais. A hashtag "impecheament” voltou ao topo das mais usadas na madrugada da quarta-feira de cinzas. E “Ei, Bolsonaro, vai tomar no cu”, foi um dos versos mais ditos durante o carnaval nos diferentes cantos do país. Escolas de samba do Rio de Janeiro e São Paulo cantaram em verso e prosa a insatisfação popular. Sim, o carnaval também fala de política, muitas vezes usando o humor.

E como uma criança mimada que não aceita a brincadeira, o presidente usou um vídeo apócrifo, sem dizer onde e quando foi filmado para insinuar que a festa mais popular e democrática do país é uma “bandalheira” e uma grande pornografia. O vídeo em questão, segundo o jornal Folha de São Paulo foi gravado na segunda-feira no centro de São Paulo durante o Blocu. Ainda segundo o jornal, as pessoas que presenciaram a cena disseram que foi um fato isolado.

Enquanto em algumas cidades como Friburgo, no Rio de Janeiro, e em Belo Horizonte, MG, a polícia dispersou blocos que gritavam “Ei, Bolsonaro vai tomar no cu” a base de cassetetes, gás lacrimogênio e prisões dos foliões, o presidente Jair Bolsonaro solta nas redes sociais um vídeo apócrifo que deixa ruborizados aqueles e aquelas que não são “tão pudicos” como seus eleitores. E se esquece do decoro presidencial, perde a compostura e age como uma criança mimada que não sabe brincar e insiste em descer para o play. E acabou sendo o primeiro presidente a ter sua conta bloqueada pelo Twitter.

Muita gente já teve mensagens bloqueadas ou retiradas do ar por serem consideradas “impróprias”, alguns até já tiveram contas bloqueadas. E o que acontece quando quem publica um conteúdo, digamos, escatológico, é um chefe de estado? Chuva de críticas e depois o Twitter usou do bom senso e bloqueou a postagem.

Várias pessoas também usaram suas redes sociais para criticar a publicação do presidente. “Um presidente que tem coragem de mostrar num vídeo cenas pornográficas, se desmoraliza totalmente”, disse frei Leonardo Boff em sua conta no Twitter. O jornalista André Trigueiro também usou a mesma rede social para questionar a atitude do presidente e lembrar que este tipo de publicação exige o bloqueio da conta. Outros, compararam a maturidade do presidente a de uma criança de 7 anos ou lembraram que ele já está eleito. “Dê visibilidade a exemplos para o país e puna o que deve ser punido e não o contrário. A vergonha é você”, disse o roteirista Eduardo Moreira em sua conta.

Goiânia

Na terça-feira de Carnaval, em Goiânia, o bloco "Não é Não!" foi para as ruas do setor Bueno, bairro nobre da capital, e um dos gritos foi “Ei, Bolsonaro vai tomar no cu”. Durante os quatro dias de folia diversos blocos foram para as ruas todos juntos e misturados, e sem nenhuma imagem como a divulgada pelo atual presidente. O fato que ocorreu em São Paulo acontece? Sim, às vezes, e não é regra no carnaval. No entanto, postagens polêmicas que tem como objetivo desviar a atenção para situações importantes, como o descontentamento popular com o governante ou a famigerada reforma previdenciária, se tornam cada vez mais comuns na conta do presidente e seus asseclas.

#políticainstitucional #JairBolsonaro #blocosdecarnaval #carnaval #twitter #polêmica

apoie
No Brasil de Jair Bolsonaro, com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Para isso, precisamos de você! Apoie o Jornal Metamorfose, jornalismo combativo e independente.
 
APOIE O JM!