Buscar
  • Marcus Vinícius Beck

Viagem alucinada de “Medo e Delírio” ganha nova versão


Literatura

Editora gaúcha lança versão de luxo de clássico da contracultura norte-americana. Obra é considerada a mais louca do Jornalismo Gonzo

“Medo e Delírio em Las Vegas”, escrito em 1971 pelo jornalista norte-americano Hunter S. Thompson, retrata com maestria a busca incessante pelo sonho americano e tem como premissa o canto do cisne em uma era que já não rola mais – ao menos no ocidente – de que as drogas seriam libertadoras, filosóficas, existenciais, místicas e estéticas. É o “Grande Gatsby”, romance clássico de Scott Fitzgerald, da contracultura estadunidense.

Esse enredo feroz e alucinante do doutor Hunter Thompson (como o pai do Jornalismo Gonzo, irmão rebelde do New Journalism, era chamado pela imprensa e por amigos) chegou ao mercado em edição de luxo que foi lançada em outubro do ano passado pela editora gaúcha L&PM. Se você não teve a oportunidade de ler as loucuras narradas por Raoul Duke e seu advogado espalhafatoso, calma: chegou o momento.

Originalmente publicado em capítulos na revista Rolling Stones, “Medo e Delírio” marca o início do fim dos ideias pregados pelos jovens rebeldes descontentes com os caminhos que o Tio Sam trilha na Ásia durante a Guerra do Vietnã. Thompson narra enfurecidamente a cobertura da Mint 400, corrida “off-road” de motos e buggies no meio do deserto de Nevada, mas o tempero que dá genialidade à obra prima Gonzo é o estilo irreverente e sarcástico do ‘doutor’.

Duke e Doutor Gonzo vão para Las Vegas a bordo do Grande Tubarão Vermelho. Na bagagem, eles levam “dois sacos de maconha, 75 bolinhas de mescalina, cinco folhas de ácido de alta concentração, um saleiro cheio até a metade com cocaína e mais uma galáxia inteira de pílulas multicoloridas, estimulantes, tranqüilizantes, berrantes, gargalhantes, além de um litro de tequila, outro de rum, uma caixa de Budweiser, meio litro de éter puro e duas dúzias de amilas".

Como se toda essa loucura não fosse o suficiente, os dois foram incumbidos de uma nova missão: cobrir uma convenção de promotores e policiais onde eles tramavam num hotel elegante novas formas de combater às drogas. O circo dos horrores estava armado, e observações poéticas de Thompson sobre a derrocada das expectativas que havia tomado conta da sociedade estadunidense surgem em capítulos cheios de digressão, como se fossem o disco “Volunteers”, lançado em 1969, pela banda Jefferson Airplane.

Thompson usou como ferramenta a hipérbole e o exagero nessa jornada ao coração selvagem. “Medo e Delírio” discorre sobre o olhar mistificador – até então defendido por jovens “paz e amor” que se acham melhor do que os outros – para registrar o comportamento do usuário de drogas, antecipando o anticlímax promovido pelas substâncias químicas. “Medo e Delírio” é um livro foda.

Ficha Técnica:

MEDO E DELÍRIO EM LAS VEGAS

Autor: Hunter S. Thompson

Tradução: Daniel Pellizzari

Editora: L&PM

Quanto: R$ 26,90

Avaliação: Excelente

#literatura #JornalismoGonzo

apoie
No Brasil de Jair Bolsonaro, com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Para isso, precisamos de você! Apoie o Jornal Metamorfose, jornalismo combativo e independente.
 
APOIE O JM!