• JM

Humanidade da Droga ou Dorga de Humanidade¿


Cidade luz, campo em flor!

Por quantas viagens passa o imaginar da coletividade¿ Quando um de nós sonha dar um passo a frente, descansar livre, ou seguir outra vez, no nosso tempo, estimulado por novidades ou contente por pertencer a um lugar, atividade ou família... Quando um de nós se comunica e é retribuído pela compreensão de um semelhante, em geral radicalmente diferente, mas reconhecendo os mesmo sinais...

Quando um de nós compartilha uma mesma praça, cidade ou roda, tendo em comum o gosto por uma mesma planta e sua necessidade compartilhada com todos os demais, durante milênios, um entendimento da humanidade enquanto coletivo floresce.

No nosso caso um entendimento da partilha da condição de cultivadores nômades, planetários, solitários em nossas representações, que, entretanto, encontram na maconha uma forma de contato de uma interioridade expandida, ainda que mundana, condicionada a uma planta, e libertária, a uma só vez. Os maconheiros não tem medo do reino vegetal!

Somos também resultado da luz que na canabis se impõe como abundância e transbordamento.

Apesar de distanciada do domínio público a cultura canábica é um novo entendimento do todo na diferença, um nós que remonta à própria história da humanidade e, hoje, às lutas humanitárias!

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com