“Uh, Legaliza!” #1

August 16, 2017

 Marcha da maconha e maconhaço!

 

Ao buscar uma aproximação entre as experiências das Marchas da Maconha, vemos uma descontinuidade entre a presença da juventude trabalhadora do tráfico e suas intenções de organização.

 

 

Por se tratar de uma pauta que envolve ilícitos muito facilmente instrumentalizados pela perseguição política \ policial, os envolvidos mais diretamente com o cotidiano do mercado de ilícitos não pode se organizar com demandas políticas específicas.

 

Por isso surge um fenômeno chamado maconhaço, que é a expressão “desorganizada” da marcha da maconha. Ele tem um duplo impacto sobre o evento: fortalece as fileiras do movimento antiproibicionista e enriquece as pautas mais elaboradas e propositivas dentro do mesmo, aquelas relativas à economia e ao mercado de drogas.

 

 Tal evento subterrâneo se dá quando um número expressivo de participantes da marcha da maconha subverte os propósitos declarados pelo evento e o toma como álibi para fumar uma droga proibida diante de agentes da lei e concidadãos, eventualmente contrários à prática.

 

Uma grande nuvem se forma acompanhada da impunidade que a tal ação lhe é devida: autonomia sobre o próprio corpo e garantia dos direitos incontestáveis relativos a ela.

 

O maconhaço, enfim, representa o que de mais forte e profundo tem o movimento antiproibicionista: a ação direta!

 

Quando a marcha reconhece o porte de maconha como crime e sugere que ninguém traga qualquer tipo de droga ilícita ao evento ela é estratégica, pois sinaliza a seus militantes, aos mais e aos menos “orgânicos”, a cada um que já possui a práxis de se defender constantemente das forças de repressão proibicionistas.

 

Quando o maconhaço se rebela e promove a marcha anual a revelia do movimento antiproibicionista organizado, ele é a expressão da persistência da juventude periférica, que tem como base de sua subsistência a economia, o mercado e a cultura do consumo de drogas ilícitas.

 

Tal juventude com sua presença, ainda que resista ao debate pró legalização no âmbito da saúde pública e do bem estar social enquanto projeto político organizado, impõe a permanência do debate e o defende com sua auto afirmação, a de seus corpos e a de sua cultura.

 

Dois movimentos, taticamente unidos: marcha da maconha e maconhaço terão vida longa e cada vez mais legitimidade rumo à legalização!

 

“Nossa vitória não será por acidente!”

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com