• Marcelo Rocha

AMEAÇAS e canções

Já segura a bolsa forte e acelera o passo, tô armado tô crespo, to empoderado Queria me ver quieto, dentro da sua cozinha, me viu usando a faca e não foi na sua salsinha. Ficou com medo né? MAS FOI NO MEU PEITO, o primeiro que consegui comprar depois de tantos restos que comi na sua casa. Era frango, era bife, no churrasco até asa. E olha esse absurdo, A filha do patrão querendo sair com o negão, Eu não sou fetiche, e tu não é criança pra na praça de alimentação, fingir que sou segurança, só assim pra eles, não seguir, olhando no caixa eletronico se passamos por ali. Eu prefiro minha preta, destravando no romano, enquanto não vira moda não tem branco apropiando Opa, opa, opa... olha o racismo reverso, todo mundo é igual, quem se esforça faz sucesso. Racismo reverso, meritocracia e tudo isso ai, eu resumo em uma frase: CONVERSA PRA BOY DORMIR. Desacreditou, eu engatihei, o cara sacou e eu atirei a lei do cão foi ele quem fez, segura ladrão chegou sua vez... Eu tinha sacado, era um saco de pipoca, nem tava entendendo sua ideia torta. Hoje quem chora é a minha mãe e meu corpo ainda vive, em revolta, no coração de cada um que escutou a mensagem do mano sabota.