• Metamorfose

Caminhos da existência

No borbulhar da lua sinto os batimentos de minha mente. Como acostumar com o agir de meu lisergico olhar? Como deixar meus pensamentos segmentados ao meu ritmo de vida? Estar aberta para a experiência, a própria dor e amor que se é viver.

Tenho um circo de sensações que se balançam com as artérias de minha percepção.

Quiçá, somente largando as crises existenciais por um bom rodopiar do esqueleto, valha à pena meu respirar.