• Metamorfose

Como nossos pais

Abro as folhas cinzas da manipulação em massa, lua cheia, pessoas vazias andam por ai. A revolta me incendeia como se minha alma estivesse banhada a petróleo, talvez eu morra de desgosto. Me pergunto o que leva os humanóides acharem que tudo acontece dentro da normalidade da esquizofrenia coletiva.

Tento tragar a paz interna à cada cigarro aceso na boca de meu fuzil de merda particular. Será que sou apenas mais uma escrava de consciência? Será que consigo expôr minha percepção ao ponto de abrir os olhos de alguém?

Não sei, quiçá sou apenas mais uma esquizofrênica do sistema.