• Metamorfose

Almoço de família

As cores dançam em contraste, um salão arrumado com regras subjetivas.


Lágrimas escorrem sob minha consciência lúcida, uma escravidão moderna é disfarçada nas relações pessoais.


A simpatia de quem me atende, angustiada no conforto levanto os pés para um invisível limpar. Branquitude se levanta, no nariz se leva a ideologia que segrega a própria vida.


Encurralada no quadrado da hipocrisia social, se limpa o estrume da verdade racial.


No final do dia vejo uma senhora limpando um salão de desigualdade, senhoras brancas se encontram sentadas e ignoram a sinhá que fica à limpar..