• Equipe Metamorfose

Mais aumento?

Mal apagamos os fogos de artifício do ano novo, e já fomos surpreendidos: a passagem de ônibus deve subir na maioria das capitais brasileiras. Em Goiânia, empresários ligados ao negócio do transporte público reuniram-se às sete chaves para discutir uma ‘possível’ alta na tarifa, que deve ir para R$ 4,05, sendo o reajuste três vezes maior do que o salário mínimo. Caso o aumento seja deliberado, nossa cidade figurará no seleto rol de municípios cuja tarifa de busão é uma das mais caras do país.


Em face dessa excrescência, faz-se necessário evocar aquele velho e pertinente discurso: a mobilidade urbana é direito de todos, mas o mundo movido pela égide do capitalismo a transformou em uma mercadoria cara e lucrativa. Os gângsteres do busão sabem muito bem disso, tanto que a Câmara Deliberativa de Transporte Coletivo (CDTC) aguarda aval da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) desde o dia 7 de dezembro do ano passado para elevar a passagem.


A alta na tarifa tornou-se o símbolo de uma gestão municipal que prioriza e têm como símbolo da modernidade carros, motos e todo e qualquer transporte movido a gasolina. O site Metamorfose, ao contrário dos outros veículos de imprensa, ratifica veementemente a importância de incluir e, por conseguinte, garantir o direito das pessoas de moverem-se pelo espaço urbano. Mas também preocupa-se com a quantidade de carros e motos em fúria pelas vias públicas. Esses veículos, de acordo com Eduardo Galeano, são como uma arma engatilhada.


É ano novo, mas paira no ar o retrocesso. O Metamorfose, como deve ser de conhecimento de todos vocês que nos acompanham há sete meses, luta para que haja um mundo melhor, um mundo livre de barões que mandam e desmandam dentro de suas salas brindadas. No ano passado, já fizemos uma série de reportagens em que abordávamos a problemática da mobilidade em Goiânia. O resultado foi incrível, pois tivemos o sentimento de que estávamos contribuindo para o debate público, plantando a semente da consciência em cada um de nossos leitores.


Por isso, desta vez, resolvemos produzir uma série de reportagens em que iremos mergulhar a fundo no quesito transporte coletivo. Semanalmente, postaremos um texto neste site, e esperamos a presença de todos vocês para lê-lo, debatê-lo e compartilhá-lo. Porque, mais uma vez, a máfia do transporte do busão pretende explorar ao máximo os assalariados, sem dar a mínima às suas necessidades enquanto cidadãos.


Não é hoje – é terrivelmente antigo – a vontade de tirar a dignidade das camadas menos favorecidas da população. Primeiro, foi a meia passagem estudantil, que desde que mudara o sistema, passando a administração do benefício para a Secretaria de Governo (Segov), a coisa só degringolou. Na prática, nada foi feito. Burocratas foram às televisões explicar que a classe estudantil não seria afetada pela mudança, mas o que se viu foi exatamente o contrário do que era ‘defendido’ por eles.


Abaixo as masmorras de sempre, o totalitarismo travestido de democracia, abaixo o liberalismo-burguês e os conchavos comandados por um cartel de gangsteres que está mais preocupado em defender seus interesses do que lutar por melhores formas de dignidade à sociedade.


Neste ano, o Metamorfose, bem como fez em seus primeiros sete meses, irá se posicionar com todas as suas forças contra essas medidas que estão batendo à porta. Também vamos comemorar os 50 anos de 1968, com uma série de reportagens em que discorreremos sobre o que aconteceu em cada mês do mítico ano.


Contamos com o apoio de todos vocês, caros leitores, pois sem suas colaborações o que estamos fazendo não possui o menor sentido. Viva o amor, o respeito, a dignidade e a revolução. Abaixo o fascismo, em suas múltiplas formas.