• JM

Desatou nós

Eai galera, tudo suave na nave? Pois bem, nessa segunda feira regada à psicodelia trago um texto de 2016. Como eu já disse antes, gosto de publicar coisas antigas que eu encontro pelos cadernos que eu já debrucei meus pensamentos, e o post de hoje é uma forma de dizer 'estou nua perante a vida e foda-se', então com vocês, um pedaço de meu diário.


Medo que se foi..


Terminei meu primeiro documentário. Sabe, tenho em mim uma sensação que tenho todas as vezes que termino um cigarro, a vontade de acender mais um chama de arte. O tragar, o soltar e finalizar o processo nem sempre é fácil, quiçá caótico.


Me permiti esse ano a ser, a fazer e trilhar meu caminho, carrego em mim a responsabilidade da subjetividade. Sinto que a missão está sendo cumprida e que meu amor pelo mundo está sendo registrado.


Porque não atravessar o portal para esse imenso mundo que espera à todos nós? Quero pular no abismo só para me forçar o voo, afinal do que seria o conhecimento sem a dúvida?


Vem, me dê a mão, voe comigo, vamos criar um mundo melhor, vamos entrar na escuridão do novo e iluminar o caminho com a chama interna que cada um de nós carrega, nossos olhares podem transbordar amor.


Sinto em minhas entranhas as dores da revolução, espero a humanidade entrar em trabalho de parto...


Gostou do texto?

Com a ascensão do fascismo no Brasil, ataques à mídia se tornaram recorrentes. Documentos perdidos, subnotificação de mortos, censura nos dados sobre queimadas e desmatamento, retirada de direitos duramente conquistados: o contexto da realidade está sendo censurado nos monopólios midiáticos. Venha lutar com a gente! É com seu apoio que conseguimos manter o Jornal Metamorfose no ar. 

Apoie a liberdade de imprensa, ela só é possível com você, caro leitor.