Quando o empresário do campo resolve ser vitimista

April 3, 2018

Recentemente Tasso Jayme, presidente da Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura (SGPA) e produtor rural, publicou um texto em um dos maiores jornais circulantes na capital defendendo o fim do Funrural.

 

Ok...vamos dar uma de Jack e ir por partes. Primeiro: o que é o Funrural? Os programas assistenciais ao trabalhador rural surgiram com o PRORURAL - Programa de Assistência ao Trabalhador Rural, no início da década de 1970, visando concessão de aposentadorias por idade, invalidez, pensão, serviço social, etc. A Contribuição Social Rural, ou Funrural, também criada nesse contexto, é uma contribuição social destinada a custear o INSS. Historicamente a tributação na área rural teve como regra a comercialização da produção, gerando debates há mais de quarenta anos.

 

Em 1971, o Funrural determinou a cobrança de 2% sobre a comercialização do produtor rural para financiar a previdência rural. Em 1988, com a entrada em vigor da nova Constituição Federal, foi criado o Regime Geral de Previdência Social e em 1989 entra em vigor uma lei que determina que a contribuição previdenciária das empresas em geral, tanto urbanas quanto rurais, seria de 20%, mais 2,0% para o SAT (Seguro Acidente do Trabalho), incidindo sobre o total das remunerações pagas durante o mês aos empregados.

 

Em 1992, com a lei 8.540, houve a regulamentação da contribuição específica para o produtor rural. Foi determinado que a cobrança seria feita sobre a receita, e não mais sobre a folha de pagamento. O empregador rural, pessoa física, passou a recolher 2,1% (atualmente 1,5%) sobre a produção e o empregador rural, pessoa jurídica, 2,6% (atualmente 2,85%) e, assim como o empresário urbano, o produtor precisa fazer um recolhimento individual para se aposentar.

 

Entretanto, no início de 2010 o Supremo Tribunal Federal (STF), julgou inconstitucional a contribuição previdenciária pelo empregador rural pessoa física para o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (FUNRURAL) sobre a receita bruta vinda da comercialização da produção. Mas a justiça recomendava que esse valor fosse depositado para o caso de o supremo mudar de ideia, devido a uma emenda feita na Constituição em 1998 e regulamentada em uma lei de 2001. Se o dinheiro não fosse destinado ao pagamento, ele voltaria para o produtor. Como a decisão era opcional, muita gente deixo de recolher (é claro!).

 

Então, em março de 2017 o STF mudou seu julgamento. Com isso se estabeleceu o Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), que determina as regras de pagamento e parcelamento da dívida retroativa do tributo e juros. O prazo máximo de adesão era 28 de fevereiro, mas ele já foi estendido e ainda existe a possibilidade de o STF decidir que a contribuição não deve ser cobrada de forma retroativa.

 

Segundo: o que diz Tasso Jayme (posicionamento comum a muitos produtores, em especial os grandes)? Segundo o texto publicado, o agronegócio brasileiro sofre muito, a exemplo da Operação Carne Fraca, e agora com mais impostos (se referindo a constitucionalidade do Funrural e o PRR). Segundo ele, é o setor agrícola que faz o país ter indicadores positivos no que tange as exportações (afinal a nossa história sempre foi ser fonte de matéria prima não é mesmo?!). O empresário agrícola é o salvador da balança comercial, então por que não um tratamento vip?! E ainda faz uma analogia tosca sobre a existência de dois “Brasis”, um Brasil ágil em cobrar impostos e um Brasil deficitário em prestar serviços ao cidadão, como se a lógica fosse simples assim. Como se o fato da isenção de impostos dado a grandes empresários, seja urbano ou rural, não afetasse a arrecadação e como se esses também não tivessem, muitas vezes, ligação com casos de corrupção. Como se o “business”, tanto no campo como na cidade, não possuíssem estreitas ligações com os centros políticos do país.

 

Segundo Jayme, no dia 4 de abril ocorrera o evento “Verde e Amarelo” (não vamos entrar nas questões nacionalistas e simbólicas que remetem a uma visão conservadora da sociedade...) por mais “boa vontade” na cobrança do Funrural, visto por ele, ao que o texto indica, é sim inconstitucional e é absurda a nova decisão do STF. Para Jayme, a cobrança de cinco anos de retroativo vai falir o produtor goiano e só está ocorrendo por que o governo federal está louco por mais arrecadação.

 

Para além do teor vitimista do texto, é bom destacar que basicamente o que Tasso Jayme está querendo é o que toda classe empresaria quer: isenção de impostos. O objetivo é maiores lucros e que se dane os direitos do trabalhador rural. Se você for parar para pensar há paralelos entre essa questão do funrural e da proposta de reforma da previdência. Resta saber até que ponto essa decisão do STF vai pesar para a bancada ruralista e o jogo político dos acordos, concessões, privilégios, apoios e pressões irá começar...(se é que já não começou aqui em Goiás, com essa onda de inocentar governador em caso da Saneago...fica aí o questionamento).

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

December 12, 2019

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com