• Júlia Lee

“Via o tempo parado nas águas emparedadas e os olhos levando para bem longe outro tempo que havia”



Entre o céu estrelado de uma tarde noite de sábado, com a lua cheia iluminando o caminho dos desesperados, morre o escritor José Mendonça Teles no hospital do Rim, em Goiânia. Após 82 voltas ao sol, o vento leva o poeta, escritor, jornalista, historiador, ensaísta, cronista e outras coisas mais para o eterno.


José Mendonça Teles nasceu em Hidrolândia, cidade que ele descreveu em poesia sendo “ruas de terra em silêncio e o rego d’água descendo em cavalgada no lobo da rua de cima”. Ele era um menino sorridente e curioso, como diz uma antiga vizinha de sua cidade natal, Solange Aguiar. Sua história traçou os caminhos até a capital do estado de Goiás, Goiânia, onde terminou os estudos e se formou em Direito pela PUC-GO.


“Ser goiano é saber fundar cidades. É pisar no Universo sem tirar os pés no chão-parado. É cultivar a goianidade como herança maior. É ser justo, honesto, religioso e amante da liberdade.” – Ser goiano, José Mendonça Teles.


O filho de João Alves Teles e da dona Celuta Mendonça Teles é conhecido por ser um importante escritor do estado, tendo ocupado o cargo de presidência da Academia Goiana de Letras por 10 anos. Quiçá tenha sido o destino ou o alinhamento das constelações no céu, mas coincidentemente José faleceu no mesmo dia em que a Academia que ele ajudou a construir completou 79 anos. Lêda Selma, atual presidente, contou ao O Popular que “ele era um timoneiro da cultura. Muitos o procuravam para pedir informações, ajuda e para palestras, e ele estava sempre disponível”.


De fato José Mendonça tinha um brilho no olhar que somente aqueles que conseguem observar a simplicidade da natureza possuem. Um homem afetuoso e atencioso, com o ímpeto pelo conhecimento e pela liberdade, “meu avô era um homem que sempre tentava ver o lado bom das coisas, ele era carinhoso e cuidadoso, brincalhão e sempre resolvia as coisas com comunicação” conta sua neta Ana Clara. Um romântico nato, um ser amoroso como conta sua filha Alessandra.


Um homem com um extenso trabalho de 33 obras, diversos artigos e uma coleção de aproximadamente 13 mil livros, que se encontram no Instituto Cultural José Mendonça Teles, numa daquelas casas no centro da cidade com janelas esperançosas e arquitetura sertaneja. Após a doença de Parkinson começar a atacar as estruturas de José, o Instituto também sofreu com a ausência de sua principal engrenagem e se tornando reservado para a família e amigos. Com esperança de manter o Instituto Cultural aberto ao público, com estrutura adequada, honrando a singularidade de José, a gestora Haus Auf se sentiu desafiada a organizar tudo sobre José Mendonça e mostrar a importância dele e da família para a cultura goiana, hoje a Haus Auf é a responsável pela gestão administrativa e organizacional do Instituto Cultural.


Caos nas estruturas



Perto da planejada e com árvores milenares Praça Cívica, na rua 24, no número 88 encontra-se a casa que contém o novo com todo o contexto cultural e inovador da cultura goiana. Porém, precisa-se de ajuda.


A ideia surgiu com intuito de preservar uma memória tão importante para a cidade, visto que o escritor possui 33 obras ricas sobre a cultura goiana (inclusive cidade d’ócio, livro premiadíssimo). “Ficamos comovidos quando a filha do escritor disse que, por questões financeiras e operacionais, ela estava pensando em vender a casa do instituto e doar os 13.000 livros do acervo pessoal do José Mendonça Teles para Universidades” conta Roberto Veiga, um dos idealizadores do projeto.


A casa precisava de reforma, e adaptação para a enfim reabertura ao público, porém o escritório de engenharia e arquitetura contratados abandonaram a obra sem completa-la. “Eles simplesmente pegaram o dinheiro que nós pagamos, fizeram metade de alguns serviços contratados, não nos justificaram os serviços ruins (nem mesmo um projeto arquitetônico foi apresentado) e abandonaram tudo do jeito que estavam” explica Caíque Carvalho, um dos sócios do projeto.


Existe uma vaquinha online sendo feita e o trabalho incansável de um grupo de jovens que querem recuperar o nome e a história de um homem excepcionalmente importante para a cultura do estado de Goiás e do Brasil.


Link para contribuições: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-o-instituto-cultural-jose-mendonca-teles