• Júlia Lee

Entrega ao vento

"Somente uma foda ilusória", sei não. Quiçá um dia.


Nessa semana eu quero ser amor meu, seu sabor geminiano na segunda em desencanto, me exploro nos dias de puteiro, de inferninhos tiro até o ar do certeiro. Te quero em momentos de desapego.


Revolta dionisíaca.


Vivo em terras inabitáveis de distantes sensações de liberdade. Talvez as relações de poder na grande realidade não existam. Afinal do que seriam os humanos se os impulsos de tesão fossem visseralmente expelidos para o algo mais? As constelações poderiam transparecer as censuras de trocados em consciência alteradas do exigir pelo novo.


Gritam-se os foda-ses! Os animais políticos repelem o esgoto almático da ilusão de uma burguesia sem vida. Parem as máquinas! Estamos no aqui e agora. Não deixe afundar a existência.