Vencedores do 20° FICA falam das relações humanas e do homem como integrante do meio ambiente

June 13, 2018

As relações humanas como parte integrante e ativa do meio ambiente e as construções grandiosas do período da ditadura militar foram a tônica do grande vencedor do  20° FICA. Construindo pontes, da cineasta e diretora Heloísa Passos, levou dois prêmios - Cora Coralina e Troféu Júri Jovem e mais R$ 100 mil reais. O filme foi escolhido por unanimidade pelo juri oficial como melhor produção entre os 21 filmes exibidos de 8 países na Mostra Competitiva. Quem foi a esta edição do FICA teve que fazer malabarismo nos horários para conseguir acompanhar todas as atividades, muitas simultâneas. 


Foram exibidos 101 filmes, sendo 47 goianos, em oito mostras de cinema - Competitiva, 16ª  ABD/GO, 2 Saneago (estas com premiação), FICA Animado, FICA 20 anos, FICA Atitude, Filmes de Audiodiscrição e Infantil de Audiodiscrição, além da Mostra de Cinema dos Povos do Cerrado e de Lançamento. Foram dias intensos de respirar, ver, discutir e sentir o cinema na histórica Cidade de Goiás, palco do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental há 20 anos.

 

 Os vencedores do  20° FICA

 Foto: Divulgação

 

Construindo Pontes é o  primeiro longa de Heloísa Passos. Emocionada, ela falou do trabalho na frente e por trás das câmeras, na companhia do pai, Álvaro Passos, das divergências de opinião e pensamentos e de um aceitar o outro. "O que acho mais importante neste momento que a gente está vivendo hoje é as pessoas se aceitarem e fazerem um exercício de democracia, que é dialogar. A gente está precisando aprender a dialogar", disse. Para ela esse é um exercício de democracia. "O filme se propõe a isso", explica.

 

"Meio ambiente não é só fauna e flora. É também o ser humano e suas relações com o local que está inserido", Heloísa Passos

 

A cineasta paranaense elogiou a organização e a curadoria do  20° FICA ao reconhecer, na escolha dos filmes participantes da mostra competitiva, que o ser humano é meio ambiente.  "Nós somos meio ambiente e o olhar deste festival para a geografia humana, a geografia urbana, é muito importante. Meio ambiente não é só fauna e flora, somos nós inseridos neste meio, nesse meio urbano, nesse meio rural", elogiou Heloísa Passos.

 

Relação de pai e filha mostra que o ser humano é meio ambiente

Foto: Divulgação

 

Construindo Pontes

 

O longa, que surgiu a partir de material em fotos e em super 8 sobre as Sete Quedas que desapareceram com a construção de Itaipu durante a ditadura militar, acaba por falar das relações humanas. As pontes construídas, mapas e etc, servem como um caminho de volta a um passado sombrio do país e o questionamento da realidade a partir das conversas de Heloísa e seu pai. "Descobri um homem e um pai generosos, fazendo cinema com ele e isso foi transformador...Um olhar micro, da casa da gente, para o macro neste tempo do cinema, que chamo de estendido, é ver e ouvir de uma forma mais longa", revela.

 

Para Heloísa, o cinema é uma busca de identidade em um tempo próprio e por isso muitas pessoas acabam se identificando com a história de Construindo Pontes. "As pessoas se identificam pela transparência, pela honestidade do filme e pela disponibilidade do meu pai de não pedir nenhuma cláusula e não se restringir a nada no filme, de estar de coração aberto", conta. O filme emociona, faz rir, ao mesmo tempo que nos leva a reflexão. O filme esteve em cartaz em 12 salas de cinema no país e deve reestrear em Goiânia em breve.

 

Penúmbria, um lugar largado ao tempo

Foto: Divulgação

 

Além dos vencedores dos demais prêmios (veja a lista completa abaixo), o júri oficial decidiu conceder uma menção honrosa pra o curta-metragem Penúmbria, de Eduardo Brito, que também recebeu o Troféu Jesko Putkamer, escolhido por profissionais da imprensa. O documentário português conta a história de um lugar inabitável. A cidade de Penúmbria, que dá nome ao filme, fundada há 200 anos, fica num local de difícil acesso, com solos áridos, mares revoltos e clima violento. E este lugar que vive em meio a sombra e nebulosidade quase que permanentes, levaram os habitantes a entregar o local ao tempo.

 

Bazuca sonha em voar

Foto: Divulgação

 

Entre os filmes goianos, A viagem de Ícaro, de Kaco Olímpio e Larissa Fernandes, levou três prêmios da ABD - Melhor Trilha Original, Thiago Camargo; Melhor Montagem (edição), Luciano Evangelista e Melhor Ator, Washington da Conceição, Bazuca, que é o tema central do filme. E ainda ganhou o Troféu José Petrillo de segunda melhor produção goiana. Bazuca é um catador de materiais recicláveis que sonha em voar e constrói as próprias asas para realizar este sonho.

 

Diriti de Bdé Buré, documentário de Silvana Beline, ganhou o Prêmio João Bênio de melhor filme goiano.  "Obrigada cosmos por permitir me sentir grávida de sonhos aos 52 anos", disse Silvana Beline ao receber a premiação. O documentário mostra a história de uma indígena mestra ceramista que faz bonecas Karajá e suas relações intraetnia na busca da continuidade da cultura desta tribo e a manutenção econômica.                                                                                                                 

Mostra da ABD

 

Outro grande premiado desta edição foi o curta goiano de ficção A piscina de Caíque, de Raphael Gustavo da Silva, que levou quatro prêmios da 16ª  Mostra ABD/GO - Troféu Beto Leão de melhor ficcção, melhor atriz - Eliana Passos, trilha sonora original - Thiago Camargo, melhor roteiro - Raphael Gustavo e o Prêmio Beto Leão de melhor ficção. O filme fala de Caíque que sonha em ter uma piscina e brinca com a água junto com o melhor amigo. O resultado são problemas com a mãe por conta do desperdício da água.

 

Brincadeira de dois meninos dá lição sobre desperdício de água

Foto: divulgação

 

Lançado em 2017, A piscina de Caíque já ganhou 20 prêmios, sendo um internacional. O diretor e roteirista do filme, Raphael Gustavo, conta que conseguiu fazer o filme por meio de um edital afirmativo, só para realizadores negros. E critica as instabilidades no financiamento público do cinema e audiovisual, em especial em Goiás. "Hoje a gente vive alguns momentos de instabilidade, principalmente na esfera estadual com o Fundo de Cultura, com a Lei Goyases, e os atrasos de editais que acabam não sendo lançados, o que tira muita gente dessa área", critica.

 

Raphael Gustavo ressalta que quase todos os países do mundo passaram por esse momento de financiamento público até fortaleceram o audiovisual e cinema como uma indústria que gera emprego, renda e movimento milhões, caso dos Estados Unidos. "Precisamos deste incentivo, de uma indústria cinematográfica e que continue com esta coisa de formação de público", diz.

Diretor fomenta a cultura na periferia

 

Com excessão dos prêmios de melhor atriz e melhor trilha original que são dos profissionais, o de melhor filme de ficção e de roteiro serão reinvestidos em projetos da produtora que não conseguem verba. "Vamos tocar o Favera - Festival de Audiovisual Vera Cruz-, que realizamos no Conjunto Vera Cruz, periferia de Goiânia, já que nem sempre conseguimos verba para o festival e na Vera Cult, casa de cultura lá tbm, mantido por nós, e que também não conta sempre com verbas", anuncia Raphael Gustavo.

 

Premiados das Mostras Competitiva e ABD Cine Goiás:

 

MOSTRA COMPETITIVA 2018

 

Grande Prêmio Cora Coralina – Construindo Pontes, de Heloísa Passos

Troféu Carmo Bernardes – Melhor Longa-Metragem – “Coros do Anoitecer” de Nika Saravanja e Alessandro d`Emilia.

Troféu Acari Passos – Melhor Curta ou Média Metragem – Plantae, de Guilherme Gehr.

Troféu João Bennio – Melhor Filme Goiano – Diriti de Bdé Buré, de Silvana Beline.

Troféu – Segundo Melhor Filme Goiano – “A viagem de Ícaro” de Kaco Olimpio e Larissa Fernandes.

Menção Honrosa – Penúmbria, de Eduardo Brito.

Prêmio do Júri Jovem – Construindo Pontes, de Heloísa Passos.

Troféu Jesco Von Putkammer – Filme Escolhido Pela Imprensa – Penúmbria, de Eduardo Britto.

Troféu Luiz Gonzaga Soares – Júri Popular – Corp., de Pablo Polledri.

 

MOSTRA SANEAGO

 

“Winding”, do Diretor Avi Belkin.

 

MOSTRA ABD

 

Melhor atriz: Eliana Santos - A Piscina de Caique.

Melhor ator: Washington da Conceição (O Bazuka) - A Viagem de Icaro.

Melhor som: Sankirtana Dharma e Guile Martins - Diriti de Bdè Burè.

Melhor trilha sonora original: Thiago Camargo - A Piscina de Caique.

Melhor montagem/edição: Luciano Evangelista -  A Viagem de Icaro.

Melhor direção de arte: Ursula Ramos - Hugo.

Melhor direção de fotografia:  Matheus Leandro - Diriti de Bdè Burè.

Melhor roteiro: Raphael Gustavo da Silva - A Piscina de Caique.

Melhor direção: Larry Machado - Kris Bronze.

Prêmio Martins Muniz de melhor filme experimental: “Sete Peles” direção: Ana Simiema.

Prêmio Fifi Cunha de melhor filme de animação: O Malabarista direção: Iuri Moreno.

Prêmio Eduardo Benfica para o melhor filme documentário: “Kris Bronze” direção: Larry Machado consistindo.

Prêmio Beto Leão para o melhor filme de ficção: “A Piscina de Caique” direção: Raphael Gustavo da Silva.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

December 12, 2019

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com