• Júlia Lee

O amor está aqui



Em uma casinha risoriamente encantada, os detalhes de folhas acompanhavam seus olhos de desconfiança. Sinto a poesia que pressiona esse ar que nos rodeia, fragilmente intenso.


O seco ar da Vila de São Jorge invade meus pulmões sedentos por umidade.


Sinto estático os balanços do espaço tempo, tento. Capturo. Guardo.


Quiçá, os lábios queimados de sentimentos perdidos se encontrem em sintonia.


As luzes brilham por aqui, tríplices de sensações. As energias voam, sou passarinho de beira mar ou rio. Já não importa mais.

Gostou do texto?

Com a ascensão do fascismo no Brasil, ataques à mídia se tornaram recorrentes. Documentos perdidos, subnotificação de mortos, censura nos dados sobre queimadas e desmatamento, retirada de direitos duramente conquistados: o contexto da realidade está sendo censurado nos monopólios midiáticos. Venha lutar com a gente! É com seu apoio que conseguimos manter o Jornal Metamorfose no ar. 

Apoie a liberdade de imprensa, ela só é possível com você, caro leitor.