• Júlia Lee

Chamou chamar?


Momentos obscuros de alternativos sentidos da realidade, vejo autênticas reações no ar que pulsa como as batidas punk de uma banda qualquer que toca no Martim Cerere - antigo porão do DOPS que hoje é o que resiste de um espaço cultural.


"La mujer es una revolucion dentro de la revolucion" dizia o broche de uma garota à lá Rita Lee do cerrado que passava por mim, as respirações são profundas tal como o anti horário de meu relógio interno. Às vezes o universo te coloca em situações em que ideias absurdas se comprovam reais, será que a luta pela conscientização da juventude é mais complexa do que minha experiência confirma?


A forma irreal como as realidades se chocam comprovam minha teoria de que a resistência é de fato necessária. Quiçá a informação digerida ajude, mas afinal quem sou eu para dizer? Além de uma jornalista anarquista desiludida com essa sociedade de merda a qual existo. Tenho preguiça da ilusão.



Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com