Construindo um mundo sustentável: novos métodos de fabricar tijolos

October 16, 2018

Preocupados com o meio ambiente e o barateamento de custos, jovens criam tijolo feito de caroço de açaí 

 

Daniele Barros, Higor de Amorim e Karollyne Lima mostram tijolo fabricado com cerâmica e cinzas de açaí.

 

Um grupo de três estudantes e um professor, preocupados com o descarte dos caroços de açaí pelos fornecedores do produto, encontraram uma forma de reutilizá-los. Em um grupo de pesquisa no Curso Técnico em Florestas do Instituto Federal do Maranhão (IFMA), Campus Imperatriz, Daniele Barros, Higor de Amorim, Karollyne Lima e o professor Roberto Peres da Silva criaram tijolos feitos com caroço de açaí. 

 

Em suas pesquisas, eles testaram a utilização do material no lugar da lenha como fonte de energia na queima para produção de tijolos de cerâmica. A pesquisa intitulada “Caroço de açaí como fonte de energia alternativa na produção de tijolos nas olarias da cidade de Imperatriz-MA” foi apresentada no espaço do Planeta Tech, no Universo IFMA, realizado em São José de Ribamar no último mês.

 

Os estudantes contam que sua motivação inicial foi encontrar alternativas para o excessivo descarte dos caroços, que normalmente são jogados em sacos e depositados em aterros ou até, de forma irregular, em terrenos. Como solução, os jovens pensaram em utilizá-los na produção de tijolos de cerâmica, uma vez que Imperatriz é um polo de fabricação do produto. 

  

Segundo Daniele Barros, os resultados foram, além de sustentáveis, eficientes. “O açaí se mostrou 20% mais eficiente que a lenha. Conseguimos produzir um milheiro de tijolos com apenas 0,82m³ de caroço de açaí, enquanto que para produzir a mesma quantidade de tijolos, gastamos 1m³ de lenha.” 

  

Higor de Amorim acrescentou, ainda, o resultado positivo em testes de resistência com prensa e pontuou que, com esse novo método, a produção dos tijolos baratearia. 

 

Saiba mais: outras alternativas já feitas para fabricação de tijolos 

 

Bagaço de cana de açúcar

 

Jovens alagoanas criaram, em 2013, um tijolo feito com as cinzas vindas da queima do bagaço da cana, resíduos não utilizados pelas usinas. Com o intuito de baratear a produção e melhorar a qualidade de vida dos habitantes, não só da cidade Palmeira dos índios, mas de todo país, 

 

Também preocupadas com o meio ambiente, as garotas criaram um produto que não passa pela queima e utiliza recursos da natureza sem prejudica-la. Além disso, por utilizar o solo da própria comunidade, o preço deste tijolo seria aproximadamente R$ 0,05, enquanto o preço dos tijolos convencionais variam de R$ 0,39 a R$ 0,45.

 

 

Garrafa PET

  

Neílton da Silva Tapajós apresentou como tese da graduação de Engenharia Química da UFPA, o modelo de tijolo feito com garrafas pets misturadas com gesso, cimento, resina de cristal e caroço moído de açaí

  

Juntando três garrafas, ele montou um monobloco plástico que foi envolvido por uma camada de cimento, dentro de uma forma de madeira.

   

Novamente, o protótipo criado por Neilton, além de ser sustentável barateia a produção e os custos do material. 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 11, 2019

November 11, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com