• Bocalan

O encaixe em desencaixe – dura visão de tempo incolor

diria-se que era um encontro

mágico,

um estudo energético já avançado

de dois espíritos que se conheciam em liberdade

mútua.


o mundo não estava afável,

nada estava: cada saliva de vozes em rua era coberta de sangue

e

fúria.


meu, seu riso carregando um

fardo maior que lágrimas

incessantes

– peso tão grande ao ponto de

olhos se verem fracos,

peso tão grande ao ponto de sorrir

ser o desespero necessário:


a vida, em momentos de tortura,

é salva pelo deboche.


Deus! – eu gritei, ao léu, ao nada, nenhuma nuvem se mexeu:


tanta divindade conivente com a

cruz que

o povo carrega:


(no terceiro dia, o que

acontecerá?)


por dentro, despenado,

eu agonizado, rugia em casulo que trouxesse sombra:


proteção!


o mundo pega fogo em cega alma no cansaço de rasgar-se e curar-se.

o marrom dos olhos da gente sem uma

gota de glíter:


talvez ali morria a arte tão

profunda cravada em peito e crânio.


a gente sabia, a gente sabia que o presente retornava 50 anos:


tomamos uma sociedade velha

estando tão jovens e a dor vinha

da falta de encaixe,

da ausência de local no qual a voz explode,

contamina indivíduos com a mensagem tão real e forte.


agarrar a luz que existe em teu

abraço,

agarrar a luz que existe em teu

abraço.

Abraço que significa a dor de tantos como a gente: querendo mais,

querendo mais...


um dia passará.


(mas: qual?)