Esquizofrenia coletiva

November 5, 2018

Performance MÍDIA HUMANA, de Geovani Santos. Foto: Maria Luiza Graner

 

Pessoas comuns, com mundos adormecidos em cada pensamento frívolo. Nada os preocupa, o vazio ecoa pelos olhares estáticos que não sabem o que esperar, afinal o futuro é uma grande ilusão do presente. 


Bicho. Acuado. Privado? Procuro e cuido, com cuidado fico assustado. Talvez eu veja o escuro das almas despedaçadas, eu sei do sangue. Será que conseguem ver também? Testo a aparição, a voz encontrada. 

 

Toco com os entendimentos do acaso, ainda sou poesia, mesmo com a eresia da vida. Selvagem. Não me importa os gritos, escuto o desespero de quem não aparece entre os mundos. 

 

Perdidos. Iludidos. Calados. Imperceptíveis os donos do poder controlam o mundo. 

 


Moldes de tempo-espaço, frágeis como a secura, escura. Claras como o calor de uma possível vida. Sufocadas com a percepção de uma repetição do silêncio. 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

November 11, 2019

November 11, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com