• Júlia Lee

09/11/18


Foto feita na Chapada dos Veadeiros, durante encontro de culturas. Foto: Júlia Lee


Nas aleatoriedades dos momentos perdidos percebo que me falta ar. A vida suga cotidianamente todo meu prazer de existir, quiçá eu não deveria culpar o próprio ato falho da existência mas as condições impostas pelos desalmados de poder.


A corcunda se endurece a cada dia com o fardo de carregar a realidade, como um burro de carga que faz o transporte para o objetivo da morte.


Será que sei o que estou fazendo?


Me parece como um entardecer chuvoso, no meio do deserto, agradeço a melancolia que se instala em meu peito com a facilidade das cidades mal planejadas de alagarem.

Gostou do texto?

Com a ascensão do fascismo no Brasil, ataques à mídia se tornaram recorrentes. Documentos perdidos, subnotificação de mortos, censura nos dados sobre queimadas e desmatamento, retirada de direitos duramente conquistados: o contexto da realidade está sendo censurado nos monopólios midiáticos. Venha lutar com a gente! É com seu apoio que conseguimos manter o Jornal Metamorfose no ar. 

Apoie a liberdade de imprensa, ela só é possível com você, caro leitor.