Se aproxima do fim o mais antigo bioma do planeta

December 13, 2018

Cerrado 

Jornal Metamorfose começa uma série de reportagens sobre o desmatamento desenfreado do cerrado goiano, indo profundamente para encontrar a raiz do problema 

Parque Nacional Da Chapada dos Veadeiros, Foto: Orue Brasileiro

 

O Cerrado é a maior savana do mundo e a mais rica em diversidade biológica, abrangendo total ou parcialmente 15 estados brasileiros. É também a principal fronteira agrícola brasileira, com o maior rebanho bovino do país e extensas monoculturas de soja, destinadas à exportação de grãos. Embora seja classificado como savana para atender aos critérios internacionais, este bioma possui ambientes variados que vão desde campos de gramíneas até matas tropicais. Bem mais da metade dos 2 milhões de km² originais do Cerrado já foram convertidos em pastagens plantadas e culturas anuais, e diversas espécies de animais e vegetais estão ameaçadas de extinção.

 

De todos os biomas hoje existentes no Planeta Terra, o Cerrado é o mais antigo, com surgimento estimado há 60 milhões de anos, porém, a opção pela introdução de gramíneas exóticas, principalmente o capim africano Braquiária, altera a estrutura do solo e impede o retorno de muitas espécies nativas, assim, há o risco de que o Cerrado se encontre em vias de extinção, por não existirem mais comunidades vegetais viáveis.

 

De fato, o Cerrado vem sofrendo continuamente excepcional perda de habitat, sendo esta sua principal causa de extinção de biodiversidade. Com 11.627 espécies de plantas nativas, 199 espécies de mamíferos, 837 espécies de aves, 1200 espécies de peixes, 180 de répteis e 150 de anfíbios até hoje conhecidas, faltam estudos para identificar e quantificar outras espécies do Cerrado.

 

Ainda, sua importância social é negligenciada, com etnias indígenas, quilombolas, ribeirinhos e várias outras populações tradicionais que vivem dos recursos proporcionados pelo Cerrado e detêm um conhecimento tradicional do uso de sua biodiversidade para alimentação, uso medicinal, recuperação de solos degradados e erosão, controle natural de pragas e muitas outras utilidades desconhecidas pelas populações urbanas. As populações tradicionais sofrem as consequências do desmatamento e do uso de pesticidas, e são expulsas de suas terras tanto pela ocupação do agronegócio quanto pela criação de unidades de conservação, já que sua presença resulta em ambientes muito mais conservados do que os ocupados por agricultura e pecuária modernas.

 

O Estado Brasileiro adotou uma política econômica de produção e exportação de commodities e, com práticas agrícolas baseadas em extensas monoculturas de grãos e pesado aporte de químicos, não consegue garantir a necessária proteção dos ambientes naturais. Com a atenção internacional voltada para a Amazônia, ao Cerrado, segundo maior bioma da América Latina, foi imposto o fardo de se tornar a maior área agrícola do país, sendo que a própria legislação brasileira impõe 80% para reserva legal na Amazônia e apenas 20% no Cerrado.

 

Estudo feito com base em imagens do sensor Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (Terra/MODIS), ainda em 2002, estimou que cerca de 55% do Cerrado já tinha sido desmatado e previu para 2030  o seu desaparecimento, caso o atual modelo fosse mantido. Outro estudo mais recente, que utiliza dados do sensor Operational Land Imager (OLI) Landsat, com ano base 2015, detectou apenas 30,9% do estado de Goiás ainda encontra-se recoberto com vegetação nativa, concentrada na região norte do estado.

 

Impacto nacional

 

Parque Nacional Da Chapada dos Veadeiros, Foto: Orue Brasileiro

 

O desmatamento no Cerrado afeta o balanço hídrico não só do próprio bioma como também da Amazônia. Em um estudo conduzido no Cerrado dos estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, cuja área coberta por vegetação nativa era de 82% em 2003, foi detectado que, com a substituição de mais de um milhão de hectares de vegetação nativa por soja, entre 2003 e 2013, o balanço hídrico da região foi afetado, com diminuição das taxas de evapotranspiração que levam a potencial diminuição das chuvas e um período de seca mais demorado, não só para o Cerrado mas também para a Amazônia.

 

Uso antropogênico e mudanças na cobertura da terra enfraquecem o ciclo do carbono e afetam o clima global, com previsão de se tornarem vetores da mudança na estocagem de carbono da América do Sul.

 

O Governo Federal leva estradas e crédito para financiamento agrícola a territórios antes ocupados por Cerrado preservado e comunidades tradicionais, reafirmando sua presença como garantidor da rentabilidade do mercado de commodities e da exploração de recursos naturais, em nome do interesse nacional, mas subordinado à lógica das grandes corporações e dos mercados liberalizados.

 

A escolha por um modelo agrícola com alto aporte de agrotóxicos traz como consequência a contaminação dos aquíferos e rios, sendo que a exposição a estes químicos tem sido associada a malformações fetais e cânceres, que aumentam junto com o crescimento no uso dos produtos. Em Goiás no ano de 2015 foram consumidos 75.135.233 litros de agrotóxicos, sendo que 95,5% da área plantada, 5.830.192 hectares, os utilizaram. A contaminação por agrotóxicos no território do Cerrado afeta as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul: Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata.

 

Outra ameaça à integridade do bioma são projetos de lei em tramitação que tornam a compra de terras por estrangeiros menos restritiva, o que certamente trará fortes impactos ao Cerrado, com conversão de vegetação nativa em paisagens produtivas. A China, por exemplo, tem grande interesse na compra de terras no Cerrado, já demonstrado diversas vezes e aguarda apenas alteração na legislação.

 

 

Referências: 

 

1 - KLINK, C. A; MACHADO, R.B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, v. 1, n.1, p. 147-155, jun. 2005. Disponível em: < https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/recursos/Texto_Adicional_ConservacaoID-xNOKMLsupY.pdf >

 

2 -  SAWYER, D. R.; LOBO, A. S. O Papel da Sociedade no Estabelecimento da Políticas Públicas para as Savanas. In: FALEIRO, F. G.; FARIAS NETO, A. L. de (Org.) Savanas: desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Brasília: EMBRAPA, 2008. Cap. 39

 

3 -  BARBOSA, A. S. Um Bioma em Extinção. Xapuri Socioambiental, v. 4, p. 19-21, 2015. Disponível em: < https://www.xapuri.info/biomas/cerrado/cerrado-um-bioma-em-extincao/ >

 

4 - SILVEIRA, L. et al. The potential for large-scale wildlife corridors between protected areas in Brazil using the jaguar as a model species. Landscape Ecology. 2014. Vol. 29. P. 1213–1223.

 

5 - BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. O Bioma Cerrado. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado >

 

6 - DURIGAN, G. Cerrado: O trade-off entre a conservação e o desenvolvimento. Desenvolvimento sustentável Pantanal e Cerrado. Ed. Esp. Brasília-DF. 2010. vol. 15. n. 31. p. 243-250.

 

7 - LEIS, H.R.; VIOLA, E.J. A emergência e evolução do ambientalismo no Brasil. In: Leis HR. O labirinto: ensaios sobre ambientalismo e globalização. São Paulo: Gaia, 1996.

 

8 -  PIGNATI, A. W. et al. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a vigilância em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 10, p. 3281-3293, 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232017021003281&script=sci_abstract&tlng=pt >.

 

9 -  ACSERALD, H. et al. Desigualdade ambiental e acumulação por espoliação: o que está em jogo na questão ambiental? e-cadernos ces, Coimbra, n.17, p.164-183, set. 2012. Disponível em: < http://journals.openedition.org/eces/1138 >

 

10 -  LAHSEN, M. et al. Undervaluing and Overexploiting the Brazilian Cerrado at our peril. Environment: Science and Policy for Sustainable Development, v. 58, n. 6, p. 4-15, nov. 2016. Disponível em: < https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/00139157.2016.1229537?needAccess=true >.

 

11 - BRASIL. Lei nº12.651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 28 ago. 2012. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm >.

 

12 - MACHADO, R. B. et al. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Relatório técnico não publicado. Conservação Internacional, Brasília, DF, 2004.  

 

13 -  SOUSA, S.B.; Mapeamento da cobertura vegetal do Estado de Goiás, ano-base 2015: uma abordagem utilizando dados gratuitos e softwares livres. Linguagens do Cerrado , v. 6, n. 1, p. 149-160, ago. 2016. Disponível em: <ttp://www.revista.ueg.br/index.php/buildingtheway/article/view/5932 >.

 

14 - SPERA, S.A. et al. Land-use change affects water recycling in Brasil´s last agricultural frontier. Global Change Biology, v. 22, n. 10, p. 3405-3413,  out. 2016. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27028754 >.

 

15 -  QUESADA, B. et al. Potential strong contribution of future anthropogenic land-use and land-cover change to the terrestrial carbon cycle. Environmental Research Letters, v. 13, n. 6, p. 1-11, jun. 2018. Disponível em: < http://iopscience.iop.org/article/10.1088/1748-9326/aac4c3 >.

 

16 - SCARAMUZZA, C. A. M. et al. Áreas prioritárias para conservação da biodiversidade em Goiás. Conservação da biodiversidade e sustentabilidade ambiental em Goiás: Prioridades, estratégias e perspectivas. Goiânia, 2005. Disponível em: < http://conservacao.bio.br/index.php/publicacoes?download=6:areas-prioritarias-para-a-conservacao-da-biodiversidade-em-goias >.

 

17 - PRATES, A.P.L.; IRVING, M.A. Conservação da biodiversidade e políticas públicas para as áreas protegidas no brasil: desafios e tendências da origem da CDB às metas de Aichi. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, n.1, jan/jun. 2015. Disponível em: < https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/RBPP/article/view/3014/2569 >.

 

18 - GOIÁS (Estado). Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assunto Metropolitanos do Estado de Goiás. Unidades de Conservação Estaduais de posse e domínio público. Goiânia, Goiás, 2017. Disponível em: < http://www.secima.go.gov.br/post/ver/197039/unidades-de-conservacao-estaduais-de-posse-e-dominio-publico .

 

19 - CARRANZA, T. et al. Protected area effectiveness in reducing conversion in a rapidly vanishing ecosystem: The Brazilian Cerrado. Conservation Letters, v. 7, n.3, p. 216-223, maio/jun. 2014. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/conl.12049 >.

 

20 - FLEURY, Lorena Cândido; ALMEIDA, Jalcione Pereira de. A conservação ambiental como critério de relações entre grupos e valores: representações e conflitos no entorno do Parque Nacional das Emas, Goiás. Ambiente e Sociedade ,  Campinas ,  v. 12, n. 2, p. 357-372,  Dez. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2009000200010&lng=en&nrm=iso>.


21 - FRANÇOSO, R. D. et al. Habitat loss and the effectiveness of protected áreas in the Cerrado Biodiversity Hotspot. Natureza e conservação 13. 2015. p. 35-40.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com