• Júlia Lee

Cinza

Doce Viagem

Sinto a arrogância tomar as análises de minha dor de cabeça, as respirações estão pesadas como a vida. Esta cidade cinzenta e joga cotidianamente o óbvio na cara, será que acostumarei com as dores da verdade?


Vejo as realidades subjetivas em cada esquina deste país-puteiro. Fujo constantemente dessa dura ânsia que corrói meus nervos. Será que percebo que os toques do pulsar em minhas veias?