• Júlia Lee

Cinza

Doce Viagem

Sinto a arrogância tomar as análises de minha dor de cabeça, as respirações estão pesadas como a vida. Esta cidade cinzenta e joga cotidianamente o óbvio na cara, será que acostumarei com as dores da verdade?


Vejo as realidades subjetivas em cada esquina deste país-puteiro. Fujo constantemente dessa dura ânsia que corrói meus nervos. Será que percebo que os toques do pulsar em minhas veias?




Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com