Janeiro vermelho como retomada a investida do Boi, da Bala e da Bíblia

February 5, 2019

Protesto

A última quinta-feira (31) foi marcada por diversos protestos pelo Brasil pela #DemarcaçãoJá

 

Fotos do ato Nenhuma gota a mais de sangue indígena, que aconteceu em Goiânia. Foto: Júlia Lee

 

“O indígena é produto de movimentos que não têm interesse em desenvolver o Brasil”, este é o proferimento do deputado Jerônimo Goergen do Partido Progressista pelo Rio Grande do Sul. Segundo dados do Conselho Indigenista Missionário, a atual conjuntura institucional brasileira é a pior em 20 anos quando nos referimos aos povos tradicionais da terra brasilis. Existe uma confusão ideológica estratégica quando debatemos sobre a mais primárias das lutas, a disputa pela terra.

 

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, veio, neste novo janeiro, evidenciar uma realidade marcada pelo sangue dos povos originários, numa história marcada por conflitos e espoliação. A luta aguerrida pode ser considerada por alguns como apenas redução de danos, na perspectiva de que hoje no Congresso Nacional tramitam mais de 30 projetos de lei emendados a Constituição de caráter eugenista e anti-indígena. A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), conhecida como bancada ruralista, sugere propostas sobre os indígenas não obter direito à terra caso não estivessem em posse dela em 1988. O desenvolvimentismo agropecuário tido por alguns críticos como semi-feudal, hoje é um “motor da economia” que não mede esforços em explorar o maior número de hectares.

 

“A demarcação de Terras Indígenas representa uma garantia de proteção à floresta e aos povos que dela dependem para viver”, defende a APIB neste janeiro de luta, reafirmando que os povos indígenas não se submeterão ao processo da pós-colonização, um massacre silencioso.

 

Desde o Governo Temer, o processo de demarcação das terras indígenas vem decaindo, um perfeito espelho do avanço das políticas neoliberais no país, culminando neste 2019, sob a demanda de Jair Bolsonaro, na submissão da FUNAI à uma recente pasta de governo, chamada de “Mulheres, Família e Direitos Sociais”, chefiada pela temida Damares Alves, uma mulher que foi protagonista de um roubo de uma criança indígena.

 

A agenda de mobilização do #JaneiroVermelho vem se movimentar pela reorganização dos territórios, demanda histórica dos povos originários - vide história do Movimento Zapatista no Chiapas -, uma luta que deve ser permanente. Lutar pela terra é também lutar por soberania alimentar e autonomia dos povos na administração da terra, que na tradição indienista, é sinônimo de liberdade.

 

#Demarcação já

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com