‘Espero a Tua (Re) Volta’ preserva memória recente do movimento estudantil

October 5, 2019

Cinema

Documentário mostra manifestações que tomaram conta das ruas entre 2013 e 2018

 

 Foto: Reprodução

 

 

 

Antes de qualquer coisa é preciso reconhecer que a cineasta paulistana Eliza Capai, diretora do documentário “Espero a Tua (Re) Volta”, premiado no Festival de Cinema de Berlim no início deste ano, retrata honestamente as manifestações que chacoalharam o País entre 2013 e 2018, com destaque às ocupações de escolas públicas pelos secundaristas, em 2015.

 

O filme, que foi exibido no último sábado (21) no ponto de cultura A Casa Vidro, localizado na 1º Avenida, no Setor Leste Universitário, é um documento histórico importante em tempos estranhamente esquisitos. Após a projeção, houve debate com a presença do estudante Mateus Ferreira da Silva, da historiadora Juliana Marra e da Militante do Levante Popular da Juventude, Helen Clara.

 

No belo longa-metragem de Capai, os estudantes são retratados como pessoas que lutam para preservar o direito à educação. São fortes, idealistas, utópicos. Querem que a mudança aconteça com pressa, para ontem. Além disso, temem pela educação pública de qualidade. E desejam ter as mesmas chances dos filhos da burguesia. Cá entre nós, quem falou que isso não é bem-vindo, ainda mais do ponto de vista do cinema?

 

Nem precisa dizer que é algo que está em falta. Veja bem: tudo começa pela narração em off carregada de identitarismo, consciência coletiva e análise de conjuntura. Três estudantes conduzem a história: Marcela Jesus, Nayara Souza e Lucas “Konka” Penteado. Como possuem estilos e vivências diferentes, o longa-metragem tem um ponto em comum: a marginalidade social. É preciso dar voz àqueles que habitualmente não a tem e, assim, historicamente suas lutas são criminalizadas.

 

Também chama atenção uma das palavras de ordem bradadas pelos secundaristas paulistanos que ocuparam mais de 200 escolas públicas, em 2015, e a Assembleia Legislativa de São Paulo, no ano seguinte. “O governo pode esperar tudo de nós, menos silêncio!”, gritam. Silêncio não foi o que vimos naquela época. Foram dias de embriaguez intelectual, utopia política e tesão em buscar o novo.

 

Por isso, as imagens cedidas pelo fotógrafo e videomaker Caio Castor escancaram o sentido de tudo aquilo que os secundas faziam, rechaçando a narrativa equivocada de que ocupantes eram vândalos, marginais e outras coisas atrocidades do tipo que até hoje são contadas por aí. Capai, por essas e por outras, conseguiu levar o público a refletir sobre a violência semeada pela Polícia Militar em diversas ocasiões naquele período histórico.

 

Numa bela cena, quando as escolas da capital paulista já haviam sido desocupadas, a ansiedade de Marcela Jesus é mostrada a partir de imagens distorcidas. Ali, naquele momento, compreendemos o que de fato “Espero a Tua (Re) Volta” significa. Trata-se da dor imposta pelo braço armado do Estado sempre que a juventude vai às ruas para lutar por seus direitos e são reprimidos. “Espero a Tua (Re) Volta)” é um filme importante.

 

 

Ficha Técnica

Espero a Tua (Re) Volta’

Duração: 93 minutos

Gênero: Documentário  

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com