• Júlia Lee

Talismãs

Doce Viagem

No chão de giz encontro um estrume de sentimentos de um não lugar. Os gritos estridentes se confundem com o caos da cidade. Até a brisa que vem das árvores me atordoam.


As entranhas consomem a merda visceral em qual existimos. Será que faz sentido? Estar aqui consome o resto de alma que ainda me resta na selva de pedras.

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com