A cantada nunca deve parar

October 11, 2019

Botequim Literário do beck

Foto: Cena do longa-metragem “O Homem Que Amava as Mulheres” - Reprodução

 

 

A gente chegou em outubro e notei que ainda não fiz neste ano uma das campanhas mais importantes. Sim, amigo leitor (a), falo do panfleto lírico feito pelo jornalista e escritor Xico Sá em seus tempos de coluna e blog na Folha de São Paulo. E, assim como o papai espiritual deste escriba, acredito que é cada vez mais necessária tal cartilha. 

 

Para termos uma noção, a cantada deve ser como a tão sonhada revolução socialista, aquela mesmo que você defendia com afinco em seus anos de estudante e rebeldia. Aliás, quem quiser ver um filme que representa bem isso indico o clássico do cinema francês “O Homem Que Amava as Mulheres”, de Truffaut, o sujeito que filmara o amor como poucos. Obra indispensável da Nouvelle Vague. 

 

Isto posto, peço licença ao nobre companheiro (a) que deve a paciência de chegar até aqui: é importante a gente lembrar que há mulheres pelas quais a cantada é como uma canção de Ronnie Von, sempre será eterna. Outras são como um single de qualquer música sertaneja, e duram pouco mais do que alguns minutos. Logo depois ninguém se recorda mais de nada. 

 

Essas, pondero no alto da divagação boêmia, são uma chatice tremenda e resultam do imediatismo provocado pelo tesão carnal. É importante, no entanto, que a gente reflita nesse caso específico. Ser chatão, daqueles sujeitos que não saem do pé da moça, não é nada legal. Lembre-se do mantra: o corpo é dela e ela faz suas regras. Desencana que a vida é curta, ora pois.  

 

A boa cantada é a cantada que dura pra sempre, como os escritos da francesa Anais Nin e do seu amante, Henry Miller; como as fitas de Agnès Varda e Jean Luc Godard. E mais importante ainda é que depois que rolam as coisas, aí é que a cantada vira obrigatória, quase uma oração dos pobres hombres mal diagramados que se perdem em águas refrescantes. 

 

Por isso, evoco Xico nesta croniquinha de meia tigela: “Porque cantar só para uma noite de sexo é uma pobreza dos diabos, qualquer um animal o faz. Porque cantar, à vera, é cantar todas e não cantar nenhuma ao mesmo tempo. Explico: é espalhar pacientemente a devoção a todas as mulheres como quem espalha sementes nos campos lírios”. 

 

Eita, seu cronista, quanto lirismo carregado de devoção! E digo mais: cantemos hoje, cantemos amanhã, cantemos indiscriminadamente, com o devido perdão ao velho poetinha Vinícius de Moraes, é claro. A cantada proporciona que você ganhe pelo cansaço, quando menos espera, acontece o que tanto sonhava. Sem mais delongas, lute pela arte da cantada permanente. 

 

Agora, passo a bola para o mestre Ronnie Von: “Ah! esse amor que me arrasta, que me faz sofrer/ Mas, me devolve a vida, escondida em quartos que eu não quis dormir/ Ah, esse amor bandido, contido quer me machucar/ Mas, só me traz verdades que a idade, todas não consegue dar/ Abra os braços pra me guardar, que eu todo vou me entregar/ Começo, meio e fim e a minha cuca ruim”. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com