As veias abertas da América Latina em 2019

July 31, 2019

América Latina 

 

Presidente Jair Bolsonaro representa ameaça sanguinária aos povos indígenas através da estrutura megalomaníaca das mineradoras

 

 Marcha pelos povos indígenas, em Goiânia, 2019. Foto: Júlia Lee 

 

Eduardo Galeano, jornalista e escritor uruguaio, disse em 2010 que tristemente reconhecia que seu livro-reportagem As veias abertas da América Latina (1971) continuaria sendo atual por muito tempo. “A história não quer se repetir, o amanha não quer ser outro nome do hoje”, afirmava Galeano à época. De fato, desde 1492 a América Latina tem seus minérios, pratas, água, e outros bens saqueados por senhores do “primeiro mundo”.

 

É perceptível que a história do povo latino está intrinsicamente ligada com a exploração e consequentemente a miséria, as estruturas sociais e econômicas se construíram à base de submissão. Se há mais de 500 anos temos a devastação das matas em prol do capital, há de se entender que em 2019 a população é totalmente controlada pela engrenagem que oprime, a resistência é feita com sangue nesse país. A guerra nunca acabou. Indígenas, ativistas ambientais, quilombolas, comunidade agrária entre outros povos são assassinados cotidianamente pela elite mundial.

 

No último sábado, Jair Bolsonaro afirmou que a nomeação de seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para embaixador do Brasil em Washington é derivada da necessidade de aproximação com os países de “primeiro mundo”. Segundo o presidente “só assim pra explorar o minério de terras indígenas. Por isso, a minha aproximação com os Estados Unidos. Por isso, eu quero uma pessoa de confiança minha na embaixada dos EUA”.

 

Já no último dia 24, o cacique Emyra Wajãpi foi assassinado por garimpeiros no Amapá, a violência contra a aldeia vem acontecendo pela quantidade de ouro que existe na região, onde 1.300 indígenas da etnia Wajãpi residem. Somente os indígenas tem permissão para explorar os minérios da região de forma artesanal, o que cria uma grande cobiça por parte de garimpeiros e mineradoras. Vale ressaltar que Bolsonaro já afirmou que irá apresentar um projeto de lei para legalizar o garimpo no Pará e região.

 

“Terra riquíssima. Se junta com a Raposa Serra do Sol, é um absurdo o que temos de minerais ali. Estou procurando o primeiro mundo para explorar essas áreas em parceria e agregando valor”, afirmou o presidente sobre a reserva Yanomami, que fica na Roraima, Amazonas.

 

Não precisamos voltar em 1500 e pouco para nos lembrarmos de que explorar minérios é devastar a vida, em 2015 tivemos o maior “acidente” de impacto ambiental da história do país, matando a fauna e flora da região da bacia do Rio Doce e 19 pessoas. Em 2018, a barragem de Brumadinho rompeu, matando cerca de 300 pessoas e dizimando a natureza da região.

 

Mineradoras e Bolsonaro são sanguinárias pois fomentam uma guerra contra a vida. Com o latifúndio, a aprovação de mais de 110 agrotóxicos só nos últimos 6 meses, a devastação crescente da floresta amazônica pelas madeireiras, o assassinato de indígenas, a falta de punição de empresas como a Vale. A guerra nunca acabou.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 11, 2019

November 11, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com