“Estou torcendo para que dê polêmica e denunciem o filme”

Entrevista – Otto Guerra

Cineasta fala sobre novo filme e comenta os rumos do audiovisual em meio à internet

 

Foto: Jornalista Renato Dias (à direita) entrevista cineasta Otto Guerra - Divulgação/ Festcine

 

 

 

 

 

“O mercado do audiovisual está em uma mudança radical. Desfaleceu tudo, ninguém sabe o vai acontecer, a internet é uma bruxa má”

 

 

 

 

 

Maior nome do cinema de animação brasileiro, o cineasta Otto Guerra, 63, se prepara para lançar nas telonas seu mais novo filme. O longa-metragem “A Cidade dos Piratas” - premiado em agosto deste ano no festival de Gramado - foi inspirado nas histórias em quadrinhos “Piratas do Tietê”, da cartunista Laerte Coutinho, e perpassa por conceitos idealizados pela artista com sua vida pessoal. Durante a realização do longa, Guerra se deparou com a resistência de Laerte em aceitar seus próprios personagens. 

 

Foi aí, então, que o diretor teve uma ideia: por que não mesclar realidade e ficção de forma um tanto quanto caótica? Não poderia haver escolha narrativa mais assertiva. Aos 57 anos, vários deles dedicado à transgressão pela via do humor, Laerte resolveu se assumir como mulher transgênero e virou personagem do documentário “Laerte-se”, obra dirigida pelas documentaristas Lígia Barbosa da Silva e Eliane Brum, em 2017. 

 

Em entrevista exclusiva ao Jornal Metamorfose concedida no sábado (28) durante o Festival de Cinema Brasileiro de Goiânia (Festcine), Guerra traçou o cenário do audiovisual após a extinção do Ministério da Cultura (Minc) pelo governo de Jair Bolsonaro. Além disso, comentou a relevância do longa cult “Wood & Stock - Sexo, orégano & rock´n´roll", lançado em 2006, com inspiração na obra do cartunista paulistano Angeli

 

 

 

Confira os principais trechos da entrevista:

 

Jornal Metamorfose – No dia 31 de outubro estreia nos cinemas sua nova produção cinematográfica. Qual é o título do novo trabalho?

 

Otto Guerra – O nome do filme é “A Cidade dos Piratas” e é baseado nos quadrinhos da cartunista Laerte, nos Piratas do Tietê, dos anos de 1980. Trouxemos aquela temática para os tempos atuais. A autora, que era o autor, renega os personagens. Acha que eles são múmias. Estávamos com tudo pronto para fazer o filme e aí tivemos que mudar. Os personagens são ótimos, mas naquele contexto dos anos 80. Concordo com Laerte.

 

 

 

Jornal Metamorfose – Aquela onda de chargistas e da produção humorística da década de 80 era carregada de misoginia, sexismo, racismo, homofobia, não?

 

Otto – O trabalho dos três amigos, “Chiclete com Banana”, que é onde conheci a Laerte, era crítico de tudo e todos. Era uma metralhadora giratória, inclusive falavam mal deles mesmos. Eles não atacavam as minorias. Suas obras são reconhecidas não só no Brasil, mas no mundo. São revolucionários. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – ‘A Cidade dos Piratas’ tem quanto tempo de duração?

 

Otto – Ficou com 80 minutos. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Estreia no Brasil? 

 

Otto – Sim, dia 31 de outubro. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Quem faz a distribuição?

 

Otto – A produção é um negócio complicado, mas acho que a distribuição é mais ainda, porque tem todos os blackbusters. Tem muito filme brasileiro. Então, conseguir lançar nos cinemas é uma baita produção. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – A produção cinematográfica brasileira multiplicou nos últimos anos, sob Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Houve um retrocesso com Michel Temer e, agora, com Jair Bolsonaro. Apesar disso, 80% da produção nacional seria vista por apenas 2 mil pessoas. Ou seja, os blackbusters e a comédia atingem um grande público no Brasil. Qual é a sua leitura?

 

Otto – Da questão do público? 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Sim. O cinema de qualidade produzido no Brasil atinge um número pequeno de pessoas.

 

Otto – Depende, né? “Bacurau” está em cartaz e conta com meio milhão de espectadores. “Turma da Mônica Laços 2”, 2,1 milhões. Há filmes que rendem muito público, mesmo nos Estados Unidos. Lá, quando você vai lançar algum blackbuster, eles colocam junto os que não vendem. É difícil conseguir público para cinema, não só no Brasil. Além disso, temos uma estrutura que privilegia os filmes que têm mais grana para colocar na mídia. No Brasil há alguns furos, como não ter dinheiro para distribuição. Um filme como “Os Vingadores”, por exemplo, gasta mais em mídia do que em sua própria produção. Então, todo mundo fica sabendo que está passando “Os Vingadores”, mas ninguém está nem aí para o nosso filme, porque não temos grana para pagar mídia. É um esquema bem cruel, não é tão simples assim. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Seria uma espécie de censura econômica?

 

Otto – É uma coisa que surgiu quando os americanos começaram a fazer cinema. Era excelente o negócio, gosto muito dos filmes americanos. O presidente da época, na década de 20, dizia algo do tipo ‘onde a gente quiser chegar, a gente chega’. Eles colocam grana até hoje no cinema comercial, pois é uma forma de dominarem o mundo. Não só nós, mas a Europa toda. O mundo ocidental todo é dominado pelo cinema americano. É uma máquina imensa. Por exemplo, “Enrolados”, filme da Disney, gastou US$ 500 milhões. E você o vê duas vezes. US$ 500 milhões foi o orçamento total do cinema brasileiro no ano passado. Não. US$ 500 milhões é o dobro de todo o orçamento do nosso cinema. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – É uma diferença gigantesca, né? 

 

Otto – E o nosso orçamento vem da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine), que é um sistema genial que tira grana dos filmes americanos. A grana do cinema brasileiro vem do encosto do cinema americano. Mas as pessoas falam coisas absurdas. O ministro idiota lá de Porto Alegre, Osmar Terra, falou que gastamos dinheiro com o cinema brasileiro e ninguém vai ver os filmes. É mentira! E as pessoas acreditam nisso. Me chamam de vagabundo. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Cinco filmes já na sua carreira?

 

Otto – Sim. Cinco longas.

 

 

 

Jornal Metamorfose – Quais são?

 

Otto – Ah, uns 15 curtas, 600 comerciais e sou vagabundo? Filhas das putas...

 

 

 

Jornal Metamorfose – Os principais longas?

 

Otto – O primeiro foi “Os Trapalhões no Rabo dos Cometas”, com Maurício de Souza, em 1986. Depois fiz “Rocky & Hudson – Os Caubóis Gays”, lançado em 1995. Foi uma produção que gastei o dinheiro da propaganda. Nos anos 80, pegava grana da propaganda e colocava nos filmes. Então, fazia cinema de animação quando ninguém fazia isso. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Para completar, qual o título dos filmes?

 

Otto – “Rock & Hudson” foi o segundo longa; terceiro, “Wood & Stock”; “Até que a Sbórnia nos Separe” foi o quarto, e agora a gente terminou “A Cidade dos Piratas”. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Neste contexto de ascensão e consolidação do conservadorismo, qual é a importância do longa “A Cidade dos Piratas”, baseado nos quadrinhos da Laerte?

 

Otto – Estou torcendo para que dê polêmica e denunciem o filme. A gente pega pesado em algumas questões. A Laerte criou o termo “ditadura gay”.

 

 

Foto: Reprodução 

 

 

 

 

Jornal Metamorfose – O filme da Laerte seria uma ameaça à moral e aos bons costumes?

 

Otto – O Brasil e o mundo avançaram muito na questão dos costumes, mas existe essa grande massa conservadora que viu no Bolsonaro a possibilidade de falar suas merdas. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Otto Guerra não teme Jair Bolsonaro?

 

Otto – O fascismo é uma coisa grave, basta ver o que aconteceu na Itália no século passado.

 

 

 

Jornal Metamorfose – É possível dizer que hoje há fascismo no Brasil?

 

Otto – Não. Minha família é toda Bolsonaro, mas ela não sabe o que significa fascismo. Acho que o brasileiro é mole, não houve alguma guerra aqui. Só passamos vergonha. Viajo muito pelo mundo e estávamos com a moral lá em cima. Saímos do nada para virarmos uma potência mundial. O que aconteceu? As grandes corporações americanas, que têm grana, compraram o juiz e o STF, e deram um golpe de Estado. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Daria um bom filme essa história do Rodrigo Janot dar um tiro em sessão no Supremo Tribunal Federal no ministro Gilmar Mendes?

 

Otto – Pena que ele não deu, né? (risos).

 

 

 

Jornal Metamorfose – Como surgiu a ideia de fazer uma obra baseada nos quadrinhos da Laerte?

 

Otto – O cartunista Adão Iturrusgarai, de Porto Alegre, foi morar em São Paulo e  virou o quarto amigo. Fiquei amigo e já admirava o trabalho deles, essa pegada underground. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Quem faz bom cinema hoje no Brasil? 

 

Otto – Recomendo assistir ao longa “Bacurau”. É um pastiche, filme lado B, né? Gosto muito do “Menino e o Mundo”, uma animação que foi indicada ao Oscar há três anos. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Nenhum filme político?

 

Otto – Gostei do “Democracia em Vertigem”. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Qual é o futuro do cinema?

 

Otto – O mercado do audiovisual está em uma mudança radical. Desfaleceu tudo, ninguém sabe o vai acontecer, a internet é uma bruxa má. A internet veio destruir tudo. A indústria fonográfica não é como era. Virá tudo de outra forma e muito melhor. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Fazer cinema é um ato de resistência? 

 

Otto – A cultura é, né? O problema é que, no Brasil, com o surgimento da televisão, o cinema entrou em conflito. O cinema aqui veio casado com o rádio, que gerou a televisão brasileira. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Como você vê a indústria do audiovisual no Brasil?

 

Otto –  A indústria do audiovisual no Brasil é a Rede Globo, que produz algo como cinco longas-metragens por dia. É uma baita indústria. A gente tem uma indústria, mas é um oligopólio. Trabalhei na Globo um tempo e eles têm muita grana. Mercado do audiovisual tem novas empresas, como Amazon, Tuner, etc. Globo é uma anã perto da Netflix, que é uma anã perto da Tuner. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – O cinema é a maior indústria de entretenimento do mundo? Maior que o futebol?

 

Otto – Maior, é claro. Os jogos e os games já ultrapassaram o cinema há muito tempo. Poderia fazer games pra ganhar dinheiro, mas não faço. 

 

 

 

Jornal Metamorfose – Qual é a sua maior referência estética?

 

Otto – Stanley Kubrick. Acho foda! 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

November 11, 2019

November 11, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com