• Marcus Vinícius Beck

A excelência do jornalismo

Resenha

Documentário explora a sensibilidade da escritora Joan Didion e mostra como ela fazia um jornalismo marcado pelo olhar atento e pela empatia

Documentário está disponível na Netflix. Foto: Julian Wasser/Reprodução


“The Center Will Not Hold”, documentário dirigido por Griffin Dunne que retrata a vida da jornalista e escritora Joan Didion, serve para mostrar a força intelectual de uma narrativa feroz cujo estilo fora dos padrões marcou o ensaismo americano do século 20. Didion prova que o jornalismo deve deixar de ser um ofício de pessoas preocupadas em puxar o saco de certas figuras públicas para se tornar coisa de gente grande.


Um dos recursos sedutores do texto de Didion é que o trinco da fechadura está bem ali para que o giremos e mergulhamos em sua intimidade. Nascida e criada na Califórnia, ela vivera os mais agitados anos de sua vida entre Los Angeles e São Francisco, produzindo um jornalismo de impressionante qualidade: há quem lhe rotule como uma das matriarcas do chamado Novo Jornalismo, apesar de Lillian Ross ter, em 1950, publicado um perfil experimental de Ernest Hemingway, na revista New Yorker.


Mas Didion foi além da não-ficção, com livros de ficção e até peça teatral no currículo. Seu maior legado como repórter foi ingressar numa penosa caminhada entre empatia e distanciamento, e o refinamento com o qual ela usa essa capacidade a torna modelo para, segundo a crítica Rebecca Mead, da revista americana, escritoras de constituição leve e temperamento neurastênico. Sem empatia seria perda de tempo observar a vida.


A jornalista eleva sua profissão à condição de arte e a tira do limbo perecível, de embrulhar peixe no final do dia, para virar um binóculo preocupado em fotografar o comportamento, a cultura e a política, com o rigor dos grandes repórteres e estilo típico dos mestres da literatura. Como acabou de sair pela Todavia, recomendo que tire a prova dos nove lendo “Rastejando Até Belém”, obra que compila 22 ensaios de Didion. Aí, sim, aventure-se por “The Center Will Not Hold”, na Netflix.


Se Tom Wolfe atirou uma cartela de LSD sob o texto jornalístico e Norman Mailer trouxe a Nova Esquerda para o centro da narrativa, arrisco a dizer que Didion rechaçou a divisão entre parcialidade e imparcialidade. Seria melhor contar a história de uma trupe doidona careta ou com a cabeça feita de ácido? Ou seria mais atrativo narrar a luta do século entre George Foreman e Muhammad Ali com distanciamento?


Nenhum, nem outro: o que verdadeiramente vale a pena é sentar e escrever a melhor história possível. Pois o que vemos, com isso, é a emoção pura que o jornalismo é capaz de proporcionar ao seu público e ao seu praticante. É o choque de narrativa que você experimenta quando alguma cena é capturada, ou quando a metáfora certa sai da ponta dos dedos, do batuque solitário do teclado, e salta direto aos olhos do leitor.


Vale a pena assistir “The Center Will Hot Hold” por se tratar de um passeio pelo mundo das letras: vemos a câmera percorrer os livros nas prateleiras da casa de Didion. Nelas estão John Steinbeck, Dante, Beatrix Potter, Doris Lessing e Kurt Vonnegut. Conhecemos também ela sentada em frente ao computador, escrevendo algum texto ou lapidando frases redigidas antes. E nos sentimos em casa para percorrer seus álbuns de fotografia, ao lado do marido Gregory Dunne, escritor e com quem tinha uma relação literária: ele revisava seus textos e ela, os dele.


Ou seja, um era leitor do outro, do tipo que remendava frases se elas estivessem fora de lugar. Didion descreve sua rotina doméstica: Dunne se levanta de manhã, acende a fogueira, prepara o café para a filha, Quintana, e a leva à escola. “Então eu me levantava, tomava uma Coca-Cola e começava a trabalhar”, diz a jornalista. É uma solução instrutiva, não necessariamente exemplar, para o desafio de ser escritora-mãe, combinando trabalho criativo com funções comuns à mulher na sociedade patriarcal.


“The Center Will Hot Hold”, de certa forma, é um modelo de reportagem cujo guia é o sentimento de empatia, mas nesse caso do sobrinho Griffin Dunne, que é ator, para a tia: afinal, como não gostar de uma escritora e ensaísta que batiza “Rastejando Até Belém” com uma epígrafe do poeta Yeats? Ou como não amar uma jornalista que conviveu com Janis Joplin, entrevistou Joan Baez e perfilou uma mãe que dera LSD para a filha de cinco anos, retratando-a como fã de Jefferson Airplane?


No final do filme, o substituto do espectador é o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama, que, ao conceder a Didion a Medalha Nacional das Artes, em 2013, segurou as mãos da ensaísta cansadas de escrever. Joan Didion tem a mais nobre das características que uma repórter precisa: a observação cuidadosa do mundo e da vida.


A maioria de nós não tem isso; a maioria de nós não quer ter. Mas Didion, não: ela captou a alma da cultura do Tio Sam e, se em meados dos anos 1960 fechava com os republicanos, ao voltar de El Salvador se tornou uma esquerdista convicta. Ela viu a máquina assassina dos ianques ao vivo e a cores. Obrigado, Joan Didion.

The Center Will Not Hold

Diretor: Griffin Dunne

Gênero: Documentário

Disponível a Netflix



Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.