• Marcus Vinícius Beck

A semana antes do caos

Cinema

‘Outubro’ retrata semana que antecedeu clima polarizado pré-eleições de 2018; filme está disponível nas plataformas de streaming

Atriz Maria Ribeiro em protesto pró-Bolsonaro na Avenida Paulista, em São Paulo - Foto: Reprodução


A câmera se aproxima lentamente de um casal de adolescentes. Os dois se beijam. Em off, a atriz Maria Ribeiro diz que não sabe por que escolheu abrir o filme com essa cena. O ano é 2018, e estamos na conturbada semana pré-eleições que levou Jair Bolsonaro à presidência, então um parlamentar conhecido por passar mais de duas décadas no parlamento semeando o ódio e sem apresentar um projeto de lei importante pro país.


Vemos, agora, Maria num quarto de hotel que dá para a Avenida Paulista, no coração financeiro de São Paulo. Na rua, bolsonaristas emitem palavras de ódio contra o Partido dos Trabalhadores. Depois, vestida de noiva, ela sai às ruas para registrar o ato público que acontecia. Assistimos então a atriz caminhar entre a trupe que trajava o verde e amarelo da CBF. É inevitável não sermos tomados por uma náusea com as cenas, já que hoje conhecemos o desfecho do teatro do absurdo que se desenrolou ali.


“Outubro”, documentário dirigido por Maria e já disponível no streaming, vai direto ao ponto: expõe o sentimento em relação aos discursos autoritários e agressivos de Bolsonaro e seus simpatizantes. O filme, apesar de retratar a ascensão da ultradireita, é bonito. Nele, a beleza não reside numa estética requintada ou planos mirabolantes de câmera, e sim se encontra justamente quando a cineasta nos emociona a partir da apreensão de personalidades como Maria Rita Kehl, Xico Sá e Marcelo Rubens Paiva.


É poético, mas não forçado. É sensível, mas sem subterfúgios aleatórios. É como se Maria estivesse reclamando para o espectador sobre o pesadelo de existir num Brasil que rompeu as barreiras da civilidade. É como se Maria, além de registrar o clima naquela semana que antecedeu as eleições de 2018, estivesse nos dando um abraço.


Sim, o afeto nestes dias em que a morte se tornou banal é um instrumento revolucionário. E tudo isso é entremeado com imagens de atos de campanha do petista e manifestações de artistas amigos da própria diretora. O xis da questão é que, ao longo de toda a narrativa, Maria se coloca como uma personagem, torna pública sua visão sobre aquele momento histórico e compara aquilo com o fim de um casamento: é a metáfora do precipício no qual o país foi atirado por uma turma de ensandecidos.


Em um dos momentos de mais esperança, quando o movimento #EleNão tentava virar votos, o jornalista Bruno Torturra – um dos criadores da Mídia Ninja – explica para um grupo de eleitores as razões para eles não votarem no ex-capitão. Noutro instante, o escritor Xico Sá diz que Bolsonaro não é uma novidade do nosso sistema eleitoral: Xico lembra que figuras caricatas, como Enéas, não passavam de 5% dos votos nas urnas, isso se eles bombassem. Com o ex-capitão, as coisas se inverteram: ele é símbolo do horror que antes ouvíamos apenas no jantar de família, com aquele tiozão chato.


Maria acertadamente não marcou nenhuma das entrevistas: optou por fazer tudo à medida que os fatos se desenrolavam. Sem spoiler: vale ressaltar que, ao mesmo tempo no qual ela refletia a angústia de resistir num país que flerta com o charme da convulsão social, a atriz encontra brilho para finalizar o filme. E não é qualquer brilho, não: é Gilberto Gil. Junto com seu violão, fiel amigo, Gil afirma serenamente que não está triste com a eleição de Jair Bolsonaro e começa a tocar. De fato, há esperança.


Com imagens preciosas da busca pela luta antifascista, “Outubro” é um registro definitivo e subjetivo da democracia brasileira – ou pelo menos do que sobrara dela. Maria Ribeiro se mostra uma documentarista preocupada com a ascensão do autoritarismo e, mais, com a brutalidade de uma retórica que não faz outra coisa a não ser empilhar caixões durante o desastre da pandemia de coronavírus. Nesse sentido, o longa precisa ser visto, revisto e debatido: ainda não sabemos como sair dessa enrascada.


‘Outubro’

Direção: Maria Ribeiro

Gênero: Documentário

Preço: R$ 14,90

Disponível em Now, Vivo Play e Oi Play



Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com