• Lee Aguiar

Aos incompreendidos

Doce Viagem

Foto tirada dentro da Ocupaçã e Projeto Cultural Bejamin Filho, centro - Rio de Janeiro. 16.01.21 - Foto: J.Lee


Aos mundos que me criam no abismo do agora, a cada desconforto nesse corpo estranho que habito.


Escrevo-te uma onomatopéia, para que lembre os relances do acaso.


Deixo a casa para você sentir a vista que também constitui os mares.


Habitamos nossa consciência com tantos fragmentos excludentes de uma perspectiva ampla e horizontal da realidade, que somos pegos de suspiro quando nos deparamos com o mundo: tão profundo e feroz.


Mudar é reconstituir os parâmetros para sua medição de real, perceba-te! Olhe em sua volta, o que você vê? Quem é você nesse reflexo? Como você chegou até aí?


Tudo que não encontrar em si, procure ao redor. Você verá o mundo que lhe habita, e saberá o que falta para encontrar uma liberdade igualitária.


É um exercício diário, tal como piscar os olhos para o silêncio que nos habita.






Gostou do texto?

Com a ascensão do fascismo no Brasil, ataques à mídia se tornaram recorrentes. Documentos perdidos, subnotificação de mortos, censura nos dados sobre queimadas e desmatamento, retirada de direitos duramente conquistados: o contexto da realidade está sendo censurado nos monopólios midiáticos. Venha lutar com a gente! É com seu apoio que conseguimos manter o Jornal Metamorfose no ar. 

Apoie a liberdade de imprensa, ela só é possível com você, caro leitor.