Arte

September 18, 2019

Afrescos da Alma

 Picasso, 1925 -“as três dançarinas”

 

 

A arte incomoda por dois motivos. Primeiro, por causa do barulho que ela causa, um estrondo de fragilizar estruturas. E depois, modestamente dizendo, há quem sinta o cotovelo doer por não saber degustar do sabor e reconhecer a significância que a arte traz para a vida humana. E no meio disso tudo, me sinto completamente confortável.

 

Devo dizer que, por hora, me incomodo também. Me incomodo pelo incomodo dos outros. Me incomodo quando a denominam -arte- como algo secundário. Quando por fim, tentam me convencer em palavras, estas de entonação suave e doce, no entanto, banhadas de prepotência e arrogância, que tal feito, talvez, não devesse ser ofício.

 

A gente sente, não é? Sente o olhar, o jeito que entorta o nariz, o balançar do corpo subjetivando desconforto, o virar do rosto para disfarçar o sarcasmo, o sorriso dissimulado, o vazio inerente saltando pelos olhos de quem observa, carregado somente de si mesmo. A gente recebe um elogio solto, que sai tropicado, daquele que aprova a obra, não o contexto, porque não entendeu nada.

 

A arte incomoda porque desafia, te chama pra jogo, te coloca frente a sua própria verdade. Às vezes é difícil demais encarar sua própria razão, estremece teu palácio etiquetado. Da boca sai falácias programadas, os gestos construídos metodicamente, e da alma? O que guardas aí dentro? Coloque pra jogo, mostre a tua verdade ou corra. Porque a arte incomoda.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com