• Marcus Vinícius Beck

O bando de loucos na telona

Botequim Literário do Beck

Foto: Reprodução

Amigo leitor, peço licença para mudar o foco da coluna nesta croniquinha maloqueira e sofredora. Eis que a bola da vez – pelo menos no ciclo dos aficionados pelo Timão, uma vez que Corinthians é coisa pra lá de séria – é o documentário “A História de Um Sonho – Todas as Casas do Timão”, dirigido pela jornalista Marcela Coelho e disponível nas salas da rede Cinemark. Coisa mais linda ver a massa alvinegra torcendo pelo coringão em todas as suas casas!


Antes de mais nada, é preciso explicar que o Corinthians – ao contrário dos outros times – não possui apenas uma casa, e sim várias. Todos estádios, onde quer o time se apresente, é o templo sagrado da massa alvinegra, é onde a Fiel defende – na saúde e na doença, com ou sem vitória – o coringão nosso de cada dia, é onde a democracia é exaltada, onde os desmandos promovidos por figuras autoritárias são execrados; onde compreendemos um pouco mais o que é a brasilidade.


“Estamos aqui pra ganhar, porque aqui é nossa casa. Quem manda aqui é o Corinthians”, diz o goleiro Cássio antes de uma partida disputada na Arena, em Itaquera, na região leste de São Paulo, em cena reproduzida no filme. Marcelinho Carioca, ídolo do Coringão e craque do timaço que faturara os campeonatos brasileiros de 1998 e 1999, emenda: “Aqui é Hollywood, é cinema”, afirma o meio-campista, camisa da 7 e maestro da orquestra regida por ele Ricardinho, Rincón e Vampeta.


Ser corintiano é ser um pouco mais brasileiro, ser corintiano é abraçar aquele desconhecido na hora do gol, é discorrer por horas a fio sobre a conquista da Libertadores, em 2012; ser corintiano é saber que a sociedade é desigual, com ricos e pobres; ser corintiano é saber que a vida – muitas vezes – não nos reserva apenas momentos de alegrias, e sim de dor, sofrimento, êxtase e tesão; ser corintiano é entender que – em várias circunstâncias – devemos ser humilde.


A torcida do Timão conquista corações até mesmo daqueles que não dão a mínima para futebol. Este cronista que vos escreve conhece uma amiga que não gosta do futiba, mas adora a postura da torcida alvinegra, especialmente os coletivos corintianos que são ligados ao movimento anarquista, como a Democracia Corintiana. Do Oiapoque ao Chuí, no Brasil ou no Japão, não importa, a Fiel joga junto os 90 minutos, e nunca abandona o time em campo.


“A História de um Sonho - Todas as Casas do Timão” traça a história do Coringão desde a sua origem no terrão de várzea do Bom Retiro até os estádio cheios, como nas conquistas do Paulistão de 77 – o fim do jejum de 23 anos sem título -, o Mundial de 2000 e 2012. Enfim, a jornalista Marcela Coelho conseguiu captar o espírito da Fiel - coisa que outros filmes como “Fiel – o filme”, de Marcelo Rubens Paiva e Serginho Groisman – também exploraram com maestria.


Sem mais delongas, amigo leitor: o Coringão nosso de dia cada é uma lição em tempos de obscurantismo em diversos aspectos. Que honremos a memória de Doutor Sócrates e companhia! E, maravilhosamente, Marcela o faz. O Corinthians – definitivamente – é coisa séria!


Ficha técnica:

A História de Um Sonho - Todas as Casas do Timão

Gênero: documentário

Duração: 85 minutos

Diretor: Marcela Coelho

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.