• Júlia Aguiar

casa cultural clandestina abre as portas neste sábado

Cultura

No dia 23 de abril, acontece a pré-abertura da Clandestina Casa Cultural com evento sobre poesia negra e diversidade de gênero. Além de contar com performance, shows e a inauguração do café Dengo

O coletivo Goiânia Clandestina estará em um novo espaço a partir do dia 23 de abril, data do pré-lançamento da Clandestina Casa Cultural. A pré-abertura também conta com o 2º Festival de poesia Goiânia Clandestina, que nessa edição será sobre o tema poesia negra e diversidade de gênero.


O evento começa às 17h, com uma roda de conversa sobre o tema do evento e irá contar com Mazinho Souza, presidente do Goiânia Clandestina; Kesley Rocha e Lulu Monamour que são poetas e performer.


Logo em seguida teremos a apresentação da performance “exc(r)ito”, que propõe o envolvimento em palavras, coisas e marcações, realizado pela artista B(m)xreis.


Às 19h teremos mais uma edição do Slam Falatu, competição de poesia autoral, comandado pelo coletivo de arte e cultura Café com Chá. O concurso terá participação des jurades e artistas Âmbar e Kesley Rocha Dias, que será sobre o tema poesia negra e diversidade de gênero. O primeiro colocado receberá o prêmio de R$ 500,00 em dinheiro, o segundo lugar vai receber Prints A3 e A4 de artes da editora, adesivos e todas as edições da revista; já o terceiro colocado receberá um print A4, adesivos e todas as edições da revista clandestina.


Em sequência teremos a performance poética “Quem está aí? Quem está aí?! Quem está aqui...”, de Flávys Guimarães. A artista visual multi-indisciplinada goiana possui um vasto percurso em produção como artivista, é afro-descente e produz performances diaspóricas. É dançarina, pesquisadora das danças urbanas e populares, produtora cultural e cineasta.


Para fechar a noite teremos o show “Figueira Infinita” de Iêda, travesti cerradense, feiticeira e artista, cantora e compositora, criadora de imagens e universos em poesia. Mestra em antropologia pela UFG e uma das produtoras do festival Iyalodês - festival de arte trans do centro-oeste.


O evento se encerra com a Samba de Roda da Serrinha com o Mestre Goyano e participação do Coletivo de Pretas Angoleiras.


Durante todo o evento, a casa cultural Clandestina contará com o Mercado Negro, uma iniciativa voltada para venda de livros, produções, artesanatos, roupas, de pessoas negras, indígenas ou não brancas.


Comes e bebes!


No dia 23, também teremos a abertura do Dengo a mais nova cafeteria e cozinha vegetal da cidade. Unidos pela fé, ideologia, amizade e cultura, o Dengo e o coletivo Goiânia Clandestina vão dividir a casa cultual.


No dia do evento, o Dengo terá um cardápio especial para o 2º Festival de poesia Goiânia Clandestina com muita comida vegetariana e vegana!


Se liga nas comidinhas: Bolinho de feijoada vegetariana; Porção mini hambúrguer vegetariano; Porção batatas temperadas (doce, inglesa) e Porção de Falafel.


Os drinks também não ficam a desejar! Com muita inspiração no cerrado goiano, o Dengo vai disponibilizar Caipirinha com rapadura, Gin tônica e Café com Gin-Cana. Além de suco de melancia com hortelã, Chopp Artesanal, long necks, água e água com gás.



O projeto é contemplado pela Lei Aldir Blanc do estado de Goiás em 2021.



2º Festival de poesia Goiânia Clandestina e abertura da casa cultural Clandestina

Onde: Casa Cultural Clandestina. Rua 262, esquina com a Avenida Universitária - Setor Leste Universitário

Quando: 23/04

Horário: 17h às 22h

Programação:

17 – 22: Mercado Negro

17:00 – Roda de conversa

18:30 – Performance “exc(r)ito”, por β(m)xreis

19:00 – Slam Falatu

20:30 – Performance Poética, por Flávys Guimarães

21:00 – Show “Figueira Infinita”

22:00 – Samba de Roda da Serrinha, com Mestre Goyano

Evento gratuito


Gostou do texto?

Com a ascensão do fascismo no Brasil, ataques à mídia se tornaram recorrentes. Documentos perdidos, subnotificação de mortos, censura nos dados sobre queimadas e desmatamento, retirada de direitos duramente conquistados: o contexto da realidade está sendo censurado nos monopólios midiáticos. Venha lutar com a gente! É com seu apoio que conseguimos manter o Jornal Metamorfose no ar. 

Apoie a liberdade de imprensa, ela só é possível com você, caro leitor.