Crônica ou livro sobre as mudanças

September 16, 2019

Doce Viagem

Foto da modelo Catharina Belline, por Júlia Lee. São Paulo - 2019.

 

Entendo que maior parte da existência que tive até agora é simplesmente fruto de toda a realidade que se torna registro da poética transcendental que o cinza da cidade de São Paulo me cega. Quiçá nada além de vida. Que por sinal, me toma por inteira em orgânicos segundos de sobrevivência.

 

Me questiono o que é afinal, isso que me controla na insensatez. Busco respostas que me se espalham como músicas para minhas articulações, algo acontece com meu coração. Me reparo e estou entregue nos tons pasteis da minha visão turva dos movimentos da filosófica contemporaneidade do sentir.

 

É, eu sei caro leitor, eu sinto muito mais do que consigo expressar. Vibro o engolir do intragável cheiro de corrosão do futuro, os seres da ganancia dominaram o sobreviver há tempos que estamos na terra. Canalizo o realizar da transmissão das informações que estão para se transmutar.

 

Esses dias que passaram foram grandes revoluções internas, por algum momento se passaram vários fogos que queimavam como o chão arenoso da Amazônia, ouvi de uma bióloga metaleira entre bar que a região tem vários registros de 100 bilhões de anos, que comprovam que a floresta Amazônica na verdade foi uma construção de uma passagem de troca de sementes entre tribos indígenas da América Latina. A floresta é fruto de uma vasta plantação de milhares de anos, bicho!

 

Cerveja vai, maconha vem, escuto a cada minuto que se passa da minha percepção de tempo que o pulsar é intrínseco ao meu manipulável ser. Bolo um tabaco, muda uma música – às vezes me canso da bruxa que persiste em mim – e me entrego a outros seres habitáveis. Me encontro nas páginas malditas de vagamundo, de Eduardo Galeano. Será que estamos realmente no período histórico, ou temporada da política capitalista, de se resolver com o ódio interno? Me questiono constantemente.

 

Consome as entranhas dos pensamentos que permeiam em minha nebulosa mente. Escrevo entre tragadas do pulsar de meu crânio que pede por socorro, o porém é a rapidez que consolido os ruídos que perpassam meu olhar perdido ao mausoléu. Não sei ainda se me encontro em meu mar, mas meu instinto me consola com sensações de que sim, sei onde estou.

 

Como disse, quiçá um livro, ou uma crônica que se une em palavras sem sentido...

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 23, 2019

November 22, 2019

November 21, 2019

November 19, 2019

November 18, 2019

November 18, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com