• JM

#DitaduraNuncaMais​

Memória

Assista o debate sobre o passado e o presente no Brasil, uma parceria do JM com Jornalistas Livres e A Casa de Vidro


Na última quarta-feira (17), o governo Bolsonaro conseguiu liminar no TRF-5 (Tribunal Regional Federal da 5ª Região) para transformar o dia 31 de março como “marco histórico da Democracia brasileira”.


Foi durante a madrugada do dia 31 de março de 1964 que os militares começaram suas movimentações para consolidar o golpe de estado no dia 1 de abril. Mas, para os militares, o dia 31 se tornou um “marco democrático”, tentando consolidar uma narrativa hipócrita sobre a Ditadura Militar.


Não é novidade para ninguém que Jair Bolsonaro e sua corja são saudosistas do tenebroso período da Ditadura Militar (1964-1985), tal iniciativa é um afronte direto a democracia brasileira. Para fazer uma contra narrativa, o Jornal Metamorfose em parceria com o Jornalistas Livres e A Casa de Vidro, organizaram uma live contra a censura!


Para esse debate convidamos:


Carol Benjamin: cineasta e diretora do longa “Fico te devendo uma carta sobre o Brasil”, que conta a história de sua família que sofreu com a Ditadura.


Renato Dias: jornalista, sociólogo e autor de vários livros sobre a Ditadura Militar. O irmão de Renato, Marco Antônio Dias Batista, foi o desaparecido político mais novo da Ditadura Civil-Militar.


Reinaldo Pantaleão: historiador e militante histórico contra a Ditadura Civil-Militar. Considerado um grande nome da resistência goiana.


E para mediar a conversa temos os jornalistas: Júlia Aguiar, Marcus Vinícius Beck e o filósofo Eduardo Carli. Técnica da live: Clara Domingos

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.