• Júlia Aguiar

E se o cerrado fosse personagem?

Música

O multiartista Diego Robert lança o escandaloso clipe da música “Poucos Passos”; produção goiana conta com a beleza do cerrado como palco

“Poucos Passos” conta com a mistura de artistas goianos e outros radicados na cidade - Foto: Emília Pinheiro (@emiliapinheiro)/Divulgação


"Nasce de você / Toda a água do rio e do mar / Toda a água da chuva, chover / Toda a água que há", a música "Poucos Passos" é uma ode ao amor que fica preso na parede da memória. Com vestígios de um bolero antigo e misturas de sons contemporâneos, a composição do artista Diego Robert transborda sensualidade.


Com lançamento nessa sexta-feira (30), às 19:30, o multiartista sergipano radicado em Goiânia estreia com "Poucos Passos" um novo projeto musical, em que é assinado inteiramente por Diego. Já o clipe é uma parceria com artistas independentes goianos e de outros estados. A produção, assinada pelo cineasta Lucas Wagner Nunes, conta com o cerrado como palco para transbordar em secura esse amor aquoso de "Poucos Passos".


Poderíamos dizer que a produção é um encontro que transborda caminhos sinuosos de afetividade, conectando a escandalosa paisagem do bioma goiano como personagem principal de uma viagem ao acaso.


Em entrevista ao Jornal Metamorfose, Diego afirma que a música tem uma relação íntima com a fluidez dos sentimentos, para isso, o artista utilizou sons de água durante toda a composição, “tudo o que é vida é molhado”. “Vem muito desse momento que eu estava vivendo, de conexão profunda com os caminhos da vida. E o clipe é muito seco, a fluidez ficou na dança, então quando eu senti isso foi muito bonito”, conta Diego.


“O diretor expandiu o sentido da música, porque ela tinha um tom melancólico e o clipe trouxe um aspecto simbólico mais forte, de memórias mesmo, uma pessoa interagindo com a própria memória, os desejos que se foram e se formam. Fiquei muito tocado”, explica o músico e compositor Diego Robert sobre o clipe.


Realizado de forma independente, o clipe teve apoio de diversas pessoas através da campanha de vaquinha coletiva no site Catarse, além de contar com financiamento da Lei Aldir Blanc.


Diego Robert, um artista multifacetado


Psicólogo, pintor, ilustrador, escritor, produtor musical, compositor e artista visual, Diego, aos 26 anos, compõe e produz suas próprias músicas.


“Em um primeiro momento eu me aproximei mais de um violão erudito. Nisso eu fiz a minha primeira música. Eu senti um prazer imensurável em poder criar coisas, conseguir expressar minha relação afetiva com o mundo a partir de uma linguagem musical. Quando eu percebi isso, eu vi uma porta muito potente em enxergar o mundo e as coisas, era possível transformar o afeto em algo, uma coisa externa a mim, de lá pra cá nunca mais parei”, conta Diego.


O multiartista tem uma relação muito fluida com os gêneros musicais, tendo realizado composições que exploram linguagens e narrativas diversas. Entre 2016 e 2017, Diego lança o projeto com dois EPs “Vidro/Pele”, com composições pós-punk em uma pegada gótica meio anos 80. Já em 2019, o artista lança o álbum “Somatório dos Caminhos”, com a banda goiana “Nubro”, um projeto psicodélico e experimental que utiliza de batidas eletrônicas em composições instrumentais.


Diego também lançou internacionalmente dois EPs com o projeto “Petunie”, que conta com composições que partem da experimentação nostálgica em dowtempo e lo-fi. Os EPs “Support your local feelings” volume I e II, foram inspirados nas reflexões que o filme “Ao caminhar entrevi lampejos de beleza”, do Jonas Mecas, trouxeram ao artista sobre memória.


Com “Petunie”, Diego Robert teve grande reconhecimento internacional, lançando os EPs em fitas cassete na Grécia, através do selo Nekubi Tapes.


Desde 2013, Diego lançou mais de 50 músicas, em diversos projetos, porém, é com “Poucos Passos” que o artista expõe publicamente a potência de sua composição e produção musical.


Assista o clipe:


Ficha técnica da produção (inclusive, recomendo dar uma olhada no Instagram da galera e apoiar os artistas independentes de Goiânia):


Uma música de: Diego Robert (@diegorobert_)

Saxofone: Sérgio Andrade (@sérgio_andradi)

Gravação, mixagem e masterização: Diego Robert (@diegorobert_)

Elenco: Naila Souza (@p0rcina)

Gabriel Miranda (@gabrielmirandasouza)

Direção e Roteiro: Lucas Wagner Nunes (@lucas.films)

Coreografia: Naila Souza (@p0rcina)

Direção de Fotografia: Thiago Rabelo (@wideawakn)

Assistência de Fotografia: Caju Mateus (@cajuindose)

Direção de Arte: Karen Veríssimo (@karenverissimo)

Assistência de Arte: Caju Mateus (@cajuindose)

Montagem: Lucas Wagner Nunes (@lucas.films)

Ass. de Montagem: Luciano Carneiro (@luciano.carneiro)

Thiago Rabelo (@wideawakn)

Produção: Larissa Sisterolli (@larissa.sisterolli)

Arthur Reis (@artbreis)

Produção Executiva: Naila Souza (@p0rcina)

Operação de câmera e gimbal: Thiago Rabelo (@wideawakn)

Color Grading: Thiago Rabelo (@wideawakn)

Still: Emília Pinheiro (@emiliapinheiro)

Cattering: Emília Pinheiro (@emiliapinheiro)

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com