• Metamorfose

Flores vivas

Doce Viagem


Lençóis, Chapada Diamantina, Bahia - 2020. Analógica, Zenit.


Lee


Conexão se aflora com a percepção dos instantes, perspectivas. Aprendo a ler as mensagens cotidianamente. Do seria a vida sem propósito?


Somos obra daquilo que transborda significado e motivo.


Quero continuar ouvindo, atentamente, as vozes que ecoam sobre os corpos presentes no espaço-tempo. Chegou a nova era.


Voltar a colocar em linhas malditas a existência me põe à encarar as cores do cheiro do agora. Quiçá, seja a metamorfose das não digeridas ideias de um passado sem voz, crua e manipulável.


Será que a antropofagia degusta os amores incompreendidos pelos mundos criados nas vísceras do medo? Sinto a brisa quente da uma liberdade roubada na mocidade. Quanto tempo o tempo tem? Quanto foi perdido pros desalmados do poder?