• Lee Aguiar

Manchas de sangue

Doce Viagem

Foto "Moça cigana", que faz parte do ensaio "Sincronicidades", 04.10.2020 - Niterói, Rio de Janeiro. Foto: J.Lee



É que eu sou uma serpente em chamas.


Desconfigurando os sentidos de outrora.


Já não sou a mesma de segundos atrás.



Sou multipla. Escrevo em linhas tortas,

no escuro,

pois não me permito a visão total de mim mesma.

Sou completa guerreira do abismo.



O que diria aos pré-socráticos se um dia os visse?



Avista-se de longe, meio à uma neblina nebulosa, em um dia qualquer na vida pós moderna.

De nada sei, meus caros filósofos.



Escuto vozes intensas que ecoam pelos pensamentos fúnebres de algo que ainda está por vir.



Ecoam pelos vazios dos momentos que invadem as entranhas questionadoras.

Gostou do texto?

Com a ascensão do fascismo no Brasil, ataques à mídia se tornaram recorrentes. Documentos perdidos, subnotificação de mortos, censura nos dados sobre queimadas e desmatamento, retirada de direitos duramente conquistados: o contexto da realidade está sendo censurado nos monopólios midiáticos. Venha lutar com a gente! É com seu apoio que conseguimos manter o Jornal Metamorfose no ar. 

Apoie a liberdade de imprensa, ela só é possível com você, caro leitor.