• Lee Aguiar

Manchas de sangue

Doce Viagem

Foto "Moça cigana", que faz parte do ensaio "Sincronicidades", 04.10.2020 - Niterói, Rio de Janeiro. Foto: J.Lee



É que eu sou uma serpente em chamas.


Desconfigurando os sentidos de outrora.


Já não sou a mesma de segundos atrás.



Sou multipla. Escrevo em linhas tortas,

no escuro,

pois não me permito a visão total de mim mesma.

Sou completa guerreira do abismo.



O que diria aos pré-socráticos se um dia os visse?



Avista-se de longe, meio à uma neblina nebulosa, em um dia qualquer na vida pós moderna.

De nada sei, meus caros filósofos.



Escuto vozes intensas que ecoam pelos pensamentos fúnebres de algo que ainda está por vir.



Ecoam pelos vazios dos momentos que invadem as entranhas questionadoras.

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.