• Marcus Vinícius Beck

Metástase miliciana

O Quê Ler?

A República das Milícias’ investiga degradação da Nova República a partir da formação de grupos paramilitares. Autor diz que ideia da obra é levantar debate sobre democracia no Brasil

Vereadora Marielle Franco foi assassinada em 2018. Arte: Marcelo Sayão/ EFE/ Reprodução


Não é novidade o apreço do clã Bolsonaro pelo direito da população a ter armas. Equivocada que só, a ideia não tem nada de original: é uma xerox da segunda emenda à Constituição dos Estados Unidos, para cuja bandeira Jair Bolsonaro – em mais de uma ocasião – chegou a bater continência no ano passado. Em sua antipatia pela democracia e subserviência aos norte-americanos, Bolsonaro acredita que o povo com um três-oitão na cintura poderia acabar com o confinamento – como mostraram as gravações da famigerada reunião ministerial realizada em abril deste ano.


Os Bolsonaro sempre se mostraram como simpatizantes dos grupos milicianos que atuam no Rio de Janeiro. Assim que Flávio Bolsonaro se elegeu deputado estadual, Jair Bolsonaro - chefão do clã - encontrava-se numa sinuca de bico: faltava ao ex-capitão traquejo para se aproximar dos partidos e colegas, demonstrando um temperamento paranóico – o que até então parecia um empecilho aos acordos que definiriam os rumos da Nova República, instaurada após o término da ditadura civil e militar, em 1985. Eis o mote de “A República das Milícias”, obra recém-lançada pela Todavia.


“Ele (Bolsonaro) sempre foi muito claro na defesa dos extermínios”, diz o jornalista e cientista político Bruno Paes Manso, autor do livro, ao Jornal Metamorfose - em entrevista feita na segunda-feira (19). Ao longo do livro-reportagem o pesquisador deixa isso claro, e é aterrorizante assistir as estruturas do Estado Democrático de Direito ruírem. “A eleição de Jair Bolsonaro representa uma fragilidade. Políticos tradicionais estavam na mira da Lava-Jato e, em 2018, o que ele falava ganha uma amplitude”, afirma Bruno Paes, provocando: “Acabou a Nova República e surgiu esses militares? Que tipo de República é essa? Uma república miliciana?”


Com depoimento de protagonistas que atuaram nesse meio, o pesquisador se utiliza em certos momentos da primeira pessoa para relatar entrevistas e encontros com milicianos na paisagem social na qual eles trafegam. São descrições que chocam pela riqueza de detalhes, mostrando como os assassinatos se sucedem de uma maneira obscura com ligações entre policiais, tráfico, jogo do bicho e poder público. Para Bruno Paes, a retórica do justiçamento, junto com o discurso de guerra, colocou em xeque a Nova República e, com isso, instaurou-se uma ‘República Miliciana’.


“A eleição do filho mais velho de Jair Bolsonaro, o zero um, abriu espaço para a família no debate estadual da segurança pública”, revela o jornalista no livro. Ali o clã estreitou suas relações com milicianos notórios e Flávio chegou a distribuir medalhas para policiais que respondiam por homicídio, como Adriano Magalhães da Nóbrega e Fabrício Queiroz. “Na assembléia Flavio poderia brilhar defendendo a bandeira populista do pai da guerra contra o crime. Com isso também poderia se destacar entre os mandachuvas da política fluminense”, escreve Bruno Paes, expondo o início da gestação de uma ferida que se faz enraizada nas instituições democráticas.


Dos esquadrões da morte formados na década de 1960 ao tráfico de drogas nos anos 1980 e 1990, passando pelos calabouços da tortura na época da ditadura, pelas máfias de caça-níquel, pelo aprimoramento do modelo de negócio miliciano e pelo assassinato da vereadora Marielle Franco, “A República das Milícias” escancara uma face sombria da política nacional que passou ao centro dos holofotes quando Jair Bolsonaro se elegeu em 2018. Mas como estancar essa ferida? Segundo Bruno Paes, é necessário somar forças para encarar esses desafios e reformular as instituições.


“É preciso uma união democrática contra essas esferas obscurantistas para evitar esse retrocesso”, ele diz ao JM. Hoje, continua, a milícia está maior do que o tráfico, fazendo gestão de 35% da vida dos moradores do Rio de Janeiro. “Libertar essas pessoas da tirania é uma urgência”. No final da obra, Bruno Paes lembra que, desde que entrou na política, Marielle queria ajudar a construir esse diálogo. E antes de morrer, ela deixou uma mensagem, que ainda se faz ouvir: “quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe? Bolsonaro quer o confronto, mas isso será passageiro.


A sedução pela retórica do justiçamento que uma parte da população aceitou em 2018 já está registrada na História brasileira, porém – como diz Bruno Paes – essa forma ancorada na morte de fazer política há de ser passageira. Enquanto isso, “A República das Milícias” mostra que a vitória de milicianos para o Palácio do Planalto é apenas a consequência de uma realidade mais mórbida, pois nela se chocam – além da própria política – polícia, igrejas, rachadinhas, Vivendas da Barra, corrupção e vista grossa das elites. Não é uma obra fácil de digerir.


Ficha Técnica

‘A República das Milícias’


Autor: Bruno Paes Manso

Gênero: Livro-reportagem

Editora: Todavia

Preço: R$ 64,90 (impresso) e R$ 39,90 (e-book)


Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.