Os perigos do ‘’Eu Avisei’’

May 14, 2019

Artigo

 

 

A infeliz habilidade do atual presidente de destruir tudo o que toca já nos rendeu grandes atrasos e inúmeras infelicidades. No momento em que escrevi esse texto, ainda faltam 1331 dias para o fim do governo Bolsonaro e já podemos ver diversos eleitores arrependidos por confiarem seus votos a alguém que usa da política para causar tanto mal.

 

Após tantos cortes, propostas problemáticas, declarações infelizes e uma grande instabilidade dentro do governo, alguns indivíduos da esquerda utilizam de tudo isso para provar que sua posição contrária ao governo está certa; o que em grande parte não é um desacerto.

 

Entretanto, o prepotente ‘’eu avisei’’, direcionado a todo e qualquer eleitor do atual presidente, se torna um problema a partir do momento em que nem mesmo o proletariado, enganado pela burguesia com pouco acesso à informação, é poupado dessa crítica ácida que mais afasta que atrai.

 

Entenda, não estou dizendo que devemos preservar a ausência de autocrítica dos eleitores do Bolsonaro, mas devemos sim falar, de uma maneira que não torne o arrependimento em um ódio ainda mais profundo que alimentará outro presidente do mesmo feitio.

 

A verdade é que, o ‘’eu avisei’’, vai na contramão da conscientização, pois só menospreza grande parte dos eleitores que graças aos retrocessos do governo começaram a acreditar que estavam enganados.

 

A teoria marxista e o seu conceito de consciência de classe, é capaz de nos mostrar a melhor direção para que possamos lidar com um Brasil tão polarizando quanto o vigente. A classe dos trabalhadores que no capitalismo é a classe explorada e dominada, não se revolta para colocar um fim na dominação burguesa, pois lhe falta consciência de classe. A burguesia modera a superestrutura, fazendo com que a desigualdade social e a exploração não sejam contestadas pelo proletariado.

 

A partir dessa perspectiva, fica claro que devemos usar uma estratégia para promover a autocrítica dos eleitores do presidente, mas devemos fazer isso simultaneamente a consciência de classe. Dessa forma, e apenas dessa forma, a classe operária poderá identificar e destruir os grilhões que os mantém presos a sombra da burguesia.

 

Não devemos nos vangloriar por sermos contrários ao presidente desde as eleições. O momento não é propício para o narcisismo. Não podemos perder a oportunidade de conscientizar uma parcela dos 57 milhões de eleitores do Bolsonaro, pois não nos faltam causas pra lutar nem retrocessos para impedir.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

November 11, 2019

November 11, 2019

Please reload

Posts Recentes
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Apoie o jornalismo independente e contribua para que o Jornal Metamorfose continue a publicar.

Fale com a gente: sigametamorfose@gmail.com