• Marcus Vinícius Beck

Os versos da tortura

Literatura

Poeta Alex Polari conta em versos como era o sadismo dos militares nos porões da caserna, numa obra que merece ser lida e não esquecida

Alex Polari em 2014 - Foto: Bruno Torturra/ Reprodução


Alex Polari estava com 20 anos e militava na organização clandestina VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), responsável pelo sequestro do embaixador alemão Ehrenfried Von Holleben, quando foi preso, no Rio de Janeiro. Torturado pelos militares, Alex testemunhou as sessões de suplício humano as quais Stuart Angel, 26, filho da estilista Zuzu, teve de ser submetido pelos milicos: ele foi arrastado por um jeep no pátio da base área do aeroporto Galeão com a boca no cano de descarga do carro em que lhe amarraram.


Alex passou dos 20 aos 29 anos no xadrez: com uma pena de 80 anos de reclusão, só foi liberado aos 29, em 1980, assim que a Lei da Anistia foi sancionada pelo general João Batista Figueredo. Dois anos antes, em 1978, ele publicou o livro “Inventário de Cicatrizes”, uma reunião de poesias que escrevera durante o período em que esteve no cárcere. Os versos são duros, tristes, angustiantes e servem como documento para que os horrores protagonizados pelos professores de Jair Bolsonaro não sejam esquecidos da memória coletiva brasileira.


“Vi companheiros desaparecer no cárcere... mas não queria estender muito isso. Porque hoje é uma coisa que vejo mais como uma experiência, não acho que é mais o cerne da questão”, afirmou o poeta ao jornalista Bruno Torturra, em entrevista publicada na revista Trip. “Dificilmente nós vamos encontrar uma solução para a crise planetária fora da revolução espiritual. Todas as outras formas de ler o mundo faliram no último século”, pontuou ele, que é adepto do Santo Daime e é um dos líderes da Comunidade Céu do Mapiá, no Acre.


De tendência contemporânea, com estética moderna, na poesia dele se manifestam de maneira forte e intensa experiências desumanas de prisão e tortura. Segundo o crítico literário Carlos Henrique de Escobar, “Alex político e Alex poeta, como alguns dos seus muitos companheiros em diferentes prisões do país, alguns já libertados, outros exilados, poderão significar toda uma postura e uma produção artística que rompe com os padrões estéreis e reacionários de até então”.


Os poemas fazem alusão aos horrores da dor, como os versos de "Paisagem": “As saudades de Domingo, Parecem-se com as estiagem, Carentes de tudo, Os prisioneiros, Perambulam, Rentes uns aos outros, Áridos de risos, E acorrentados a mesma dúvida, Lêem as mesmas bulas de redenção, Nos preâmbulos das auroras, Indeferidas”.


Já em “Erotismo e Nylon (Impressões de Uma Calcinha em 1 Auditoria), Alex faz uma homenagem à peça de roupa íntima feminina e a beleza humana. Outro trecho trata da luta armada, um dos temas recorrentes em sua poesia. “Aí eu virei para mamãe, naquele fatídico outubro de 1969, e com dezenove anos na cara, uma mala na mão e um 38 no sovaco, disse: ‘velha, a barra pesou, saiba que eu te gosto”, escreveu.


Conheci os versos de Alex Polari por meio de um amigo, que me mostrou a obra “Inventário de Cicatrizes”. Dela separei dois poemas que não deixam cair no esquecimento como o autoritarismo mata a vida e aniquila a expressão dos sentimentos. Ei-los:


Os Primeiros Tempos da Tortura


Não era mole aqueles dias

de percorrer de capuz

a distância da cela

à câmara de tortura

e nela ser capaz de dar urros

tão feios como nunca ouvi.

Havia dias que as piruetas no pau-de-arara

pareciam ridículas e humilhantes

e nus, ainda éramos capazes de corar

ante as piadas sádicas dos carrascos.

Havia dias em que todas as perspectivas

eram prá lá de negras

e todas as expectativas

se resumiam à esperança algo cética

de não tomar porradas nem choques elétricos.

Havia outros momentos

em que as horas se consumiam

à espera do ferrolho da porta que conduzia

às mãos dos especialistas

em nossa agonia.

Houve ainda períodos

em que a única preocupação possível

era ter papel higiênico

comer alguma coisa com algum talher

saber o nome do carcereiro de dia

ficar na expectativa da primeira visita

o que valia como um aval da vida

um carimbo de sobrevivente

e um status de prisioneiro político.

Depois a situação foi melhorando

e foi possível até sofrer

ter angústia, ler

amar, ter ciúmes

e todas essas outras bobagens amenas

que aí fora reputamos

como experiências cruciais.



Moral e Cívica II


Eu me lembro

usava calças curtas e ia ver as paradas

radiante de alegria.

Depois o tempo passou

eu caí em maio

mas em setembro tava pelaí

por esses quartéis

onde sempre havia solenidades cívicas

e o cara que me tinha torturado

horas antes,

o cara que me tinha dependurado

no pau-de-arara

injetado éter no meu saco

me enchido de porrada

e rodado prazeirosamente

a manivela do choque

tava lá – o filho da puta

segurando uma bandeira

e um monte de crianças,

emocionado feito o diabo

com o hino nacional.

Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.