• Victor Hidalgo

Terra Nil - O jogo anti-Civilization

Cultura


Jogo desenvolvido pelo estúdio Free Lives inova ao trabalhar a questão ambiental, e não de exploração

Capa do jogo Terra Nil, previsto para o final do ano - divulgação


Jogos como Civilization acabam trabalhando em cima de um tema colonizador e exploratório, subjugando outras culturas e exterminando seus adversários. Além da destruição ambiental utilizada para alimentar o avanço da sua civilização. Tudo a custo de muito sangue jorrado. Claro, o jogo dá outras opções de vitória, como a cultural ou diplomática, mas a questão de exploração do meio ambiente continua a mesma, ainda que alguns jogos do gênero trabalhem com a inclusão de mudanças climáticas. Esse é o cerne dos jogos 4X (Explorar, expandir, expropriar e exterminar), como o próprio Civilization, Stellaris ou Endless Legend.


Porém, o estúdio sul-africano Free Lives resolveu mudar um pouco o jogo e trabalhar com o conceito inverso desse gênero. Conheça Terra Nil, um jogo no qual o seu objetivo é recuperar uma terra devastada, trazendo de volta sua fauna e flora deixado para trás nenhum vestígio de que você esteve ali.


O projeto original surgiu como um protótipo desenvolvido pelo estúdio e distribuído gratuitamente pelo site Itch.io, você começa em uma fase tutorial mostrando as mecânicas que o jogo está tentando te ensinar, removendo os vícios que os jogos do gênero costumam trazer, aqui você está trabalhando para salvar a terra, não conquistar ela.


O terreno é desolador, com bacias de rios secos e o terreno devastado pela erosão, uma vista que já se torna mais comum em nosso mundo do que gostaríamos. Me lembrei muito do pantanal no ano passado, com as queimadas que destruíram a fauna e flora da região, e com o descaso do Governo Federal com toda a situação, deixando o fogo consumir toda a terra, para abrir caminho para a produção de cabeças de do agronegócio.


Vejo esse projeto como a antítese de Ricardo Salles, o seu trabalho é apenas recuperar aquele lugar que um dia já foi lindo e cheio de vida, mas que por conta da exploração predatória do capitalismo acabou se tornando um terreno estéril, sem vida. Mas você tem o poder de mudar isso.


Imagem do protótipo de Terra Nil - divulgação


Para cada construção que você coloca no mapa, um contador de pontos sobe na sua barra de progresso, mostrando quanto daquele bioma você já recuperou e quanto falta para você completar aquela fase. E conforme vai progredindo, a música relaxante do jogo embala a retomada do verde e da vida na terra. Os animais voltam a aparecer, flores e florestas ressurgem, e o clima volta a sua normalidade.


Depois de usar seu dedo verde para trazer a vida novamente para o que antes era uma terra desolada, o jogo pede para que você recicle todas as construções que utilizou para retomar aquele lugar, construindo um foguete que vai te levar para a próxima fase. Deixando apenas a natureza para trás.



Após terminar sua missão, você deixa para trás uma terra recuperada - divulgação


Esse jogo acabou despertando em mim sentimentos mais positivos do futuro. Star Trek sempre foi uma grande referência para mim do caminho que a humanidade poderia seguir, abandonando o capitalismo e trabalhando em conjunto numa sociedade que busca melhorar a si mesma, sem destruir aqueles a sua volta, mas tentando entende-los. E com a natureza não é diferente, no atual modelo vimos a terra apenas como um recurso para ser explorado, esse é o conceito do capitalismo (e desse gênero de jogos), mas não como algo a ser preservado e respeitado. Terra Nil me fez lembrar de Star Trek, um futuro mais otimista para a humanidade.


O protótipo de Terra Nil pode ser baixado nesse link aqui diretamente no site do Itch.io. Ele fez tanto sucesso, que o estúdio Free Lives está trabalhando em uma versão completa do jogo, com um visual em 3D e distribuído pela Devolver Digital.


Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.
Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 
Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.  Você pode apoiar mandando uma doação para o PIX do jornal: sigametamorfose@gmail.com