• Lee Aguiar

Viver é melhor que sonhar

Doce Viagem

Barca sentido Niterói, setembro de 2020. Foto: J.Lee


Caros leitores,


No reflexo da morte cotidiana percebo que temos muito a desvendar. Apesar de querer escrever palavras sólidas, me sinto na necessidade de datilografar em linhas poeticamente tortas da confusa reflexão humana. Tentarei o equilíbrio.


A Terra está sobre uma grande lua cheia em touro, potente e visceral. O curioso é a que a sincronicidade está nos obrigando a encarar as falhas - nem tão sutis assim - do nosso sistema coletivo, e não poderia ser diferente, Touro nos leva as raízes.


Amanhã (3) será um dia muito intenso, e já lhes digo: preparem-se. Falo como bruxa que sou, mulher selvática e sensível, já me sinto sufocada há vidas inteiras que se foram com o tempo. A eleição no hemisfério norte trará grandes reviravoltas e todo mundo já percebe isso com clareza.


É válido observar - já que essa coluna vive em um jornal - os veículos de comunicação norte-americanos. Sempre gosto de frisar que jornalismo não é isento de opinião, o grande problema é que o jornalismo tradicional tem a sinistra tendência de esconder que sim. Aí vira aquela coisa horrorosa né, "Bolsonaro se defende em discurso na ONU" ou pior, "é uma escolha difícil" - lembram dessa? Nas eleições de 2018? Pois é.


Pelas bandas de lá, temos capas de grandes jornais como o The Economist defendendo claramente uma posição ideológica. "Porque tem que ser Biden" estampa a capa da edição de novembro da revista, no editorial o veículo frisa que "Donal Trump profanou os valores que fazem da América um farol para o mundo". Curioso não?


Em terras tupiniquins temos desastrosas tentativas de campanhas pela democracia, como a da Folha de S.Paulo pedindo para seus leitores usarem amarelo pela democracia. É risório, inclusive - para não dizer irônico.


Não cito jornais americanos por vontade de exaltar a imprensa de lá, muito pelo contrário, no país do capitalismo a imprensa é sólida e primordialmente consciente de que não existe jornalismo isento de opinião. Devemos aprender com eles, pelo menos nesse aspecto. Afinal, nossa imprensa é muito recente e nossa frágil democracia só tem 30 e poucos anos, é foda.


Dito isso, venho aqui relembrar que nós, do Jornal Metamorfose, somos o único veículo de comunicação que está angariando uma campanha PÚBLICA - é importante frisar isso - contra a censura. Assim como a capa do The Economist que viralizou nas redes na tarde de domingo, queremos fazer uma edição impressa que marque a história da imprensa brasileira. Precisamos urgentemente nos posicionar contra esse governo fascista e totalmente distópico que assola esse país múltiplo que é o Brasil.


Para isso, precisamos de você queride leitor. Ajude a campanha, receba um exemplar no conforto do seu lar, doe exemplares para bibliotecas públicas e espaços culturais na periferia. Você encontra todas as informações em: benfeitoria.com/jmcontraacensura


Até segunda que vem.



Com esperança,

Lee Aguiar.


Gostou do texto?

Com a ascensão da censura e ataques recorrentes à mídia, entendemos que o jornalismo independente se torna mais importante do que nunca. Não podemos nos calar.

Por isso precisamos de seu apoio, queride leitor. 

Apoie a mídia independente e ajude o JM a continuar publicando. Só podemos fazer nosso trabalho livre de amarras institucionais pois acreditamos que a imprensa deve se manter autônoma, para isso contamos com sua colaboração.